Um blog do Travellerspoint

Fevereiro 2011

Veneza

BELLA VENEZIA

sunny 25 °C
Visualizar 2009 Italia no mapa de viagens de Akemi Nomura.

Veneza á clássica. Veneza é única. Veneza é mágica. Tem que ir ao menos uma vez na vida. E talvez já seja o suficiente. A primeira impressão é bem bacana, parece cena de filme. Suas ilhas ligadas por cerca de 400 pontes e seus canais formando a malha urbana da cidade mostram tudo aquilo que a gente imaginou. Mesmo com suas fachadas desbotadas e fundações desgastadas, o Grande Canal é simplesmente a rua mais bela do mundo.

large_DSC03465.jpg

HOTEL

Ficamos no hotel Bernardi Semenzato. É um hotel bem simples, porém bem organizado e limpo. E surpreendentemente barato! O quarto triplo saiu pela bagatela de 105 euros com café da manhã. E ficava em Veneza mesmo, no ponto da Cad´oro.
http://www.hotelbernardi.com/en/

ONDE COMER

Tinha uns restaurantes bem bonitinhos perto do hotel. E tinha Mc Donald´s também, claro. Não se surpreenda com a conta meio salgada se você sentar para comer em qualquer restaurante, é caro mesmo. Mas quem tá na chuva é pra se molhar.

O CLIMA

Bom, antes de ir à Veneza o que eu sempre ouvia era que “Veneza fedia”. Acho que o clima influi muito nisso. Talvez no quente verão italiano aqueles canais exalem um odor desagradável. Mas no mês de setembro não posso reclamar disso. Só é perceptível quando a gente se aproxima muito do canal. É bom estudar bem a época de ir à Veneza pois nas épocas chuvosas Veneza fica mais do que cercada de água, fica praticamente embaixo da água. Aí é viagem perdida. Fica a dica: setembro!

A CIDADE

Piazza San Marco

O primeiro destino em Veneza é sem dúvida a Piazza San Marco. Definida por Napoleão como a mais elegante sala de estar da Europa, compõe seu visual a bela catedral, o Campanário (Você pode subir de elevador pela bagatela de 8 euros e ter uma visão de Veneza, 360 graus. Prepare os ouvidos caso os sinos toquem quando você estiver lá em cima.), a clássica torre do relógio e os vários restaurantes espalhados pela piazza.

DSC02848.jpg

Beira do Canal

Na entrada da Piazza San Marco está o Palácio dos Dodges. Ligando o Palácio ao prédio ao lado está a famosa ponte do suspiro. Explicando por alto o porque de ponte do suspiro: dizem que os criminosos que eram julgados no Palácio e eram condenados, atravessavam por essa ponte para a prisão e dali se ouvia seu último suspiro.

DSC02808.jpg

Ponte di Rialto

É a mais famosa ponte de Veneza. Seu estilo é clássico e se destaca facilmente das demais. Fica no meio do Grande Canal e tem um ponto do Vaporetto lá. É gostoso ir andando pelas ruelas até alcançar a ponte, é um verdadeiro labirinto, mas dá pra chegar. Mapa sempre na mão e tudo fica fácil.

DSC03106.jpg

Lido

Lido é uma das ilhas que faz parte do complexo planeta Veneza. É uma ilha de 18km de comprimento, ponto final do vaporetto. É a Veneza moderna. Tem carros, construções mais novas, estrutura diferente. Todo ano, no mês de setembro acontece em Lido o festival de cinema de Veneza. É um desfile de astros hollywoodianos. E quando eu digo astros, eu digo astros do nível de George Clooney.

DSC03050.jpg

Gôndolas

É o símbolo maior de Veneza. O trânsito de gôndolas nos estreitos canais é surpreendente. A buzina é na base do grito mesmo. As gôndolas existem a mais de mil anos e são parte inseparável de Veneza. É a forma mais romântica de passeio na cidade, e os gondoleiros são um charme a parte. O passeio de gôndola por 40 minutos sai por 80 euros para até 6 pessoas.

DSC03434.jpg

Grande Canal

Como dito anteriormente, é a “rua mais bela do mundo”. E por incrível que pareça o charme está nas fachadas antigas e desgastadas. Um passeio econômico e muito gostoso é pegar o vaporetto e sentar lá na frente. Passeio pelo canal de ponta a ponta. Um espetáculo.
8DSC03089.jpg

Bom, essa é Veneza. Vá e veja com os próprios olhos. Só assim pra entender e sentir de verdade o que é Veneza!

Publicado por Akemi Nomura 16:13 Arquivado em Itália Tagged venezia dicas veneza Comentários (0)

Praga

UM ENCANTO DO LESTE EUROPEU

semi-overcast 17 °C
Visualizar 2010 Europa no mapa de viagens de Akemi Nomura.

Praga é uma cidade antiga, recheada de histórias. O povo não é muito bem humorado, mas basta um grupinho de brasileiros pra animar o ambiente. O que a gente ouviu de “Brazil, I love you”... rsrsrsrs... Terra da Becherova e da Pilsner Urquell, Praga é uma das minhas cidades favoritas. Com certeza está no meu top five.

O HOTEL

Vale muito à pena ficar bem localizado, sem depender de bonde, metrô, etc. Uma boa dica é o hotel Best Western Meteor (40 euros por pessoa em quarto duplo). Fica bem na entrada da cidade antiga, ao lado do Portão da Pólvora. Na mesma rua do hotel tem um restaurante chamado Hybernia. Lá tem um espetinho que dá para duas pessoas, a menos que a fome seja muito grande.

O IDIOMA

O idioma não é problema nos lugares turísticos, o problema é pedir informação para locais. É difícil achar alguém que fale inglês. Os turistas não sabem responder. Mas, um roteiro bem estudado e um mapa na mão resolve tudo. Quero dizer, dá um pouquinho de trabalho ler o nome daquelas ruas e achar no mapa. É quase como ver um desenho e identificá-lo. Mas é até divertido. Se quiser ir treinando...

large_Imagem_054.jpg

O CLIMA

Era início de setembro e estava um pouco frio. Logo pela manhã era mais frio, ao longo do dia, a temperatura tornava-se agradável. Não sei se de fato ou pela caminhada. Mas, pra quem vai andar, é até melhor um tempo ameno.

A CIDADE VELHA

O CENTRO

A cidade é pequena, estando bem localizado você faz tudo a pé. Atravessa o portão da Pólvora e já está dentro da cidade. Do lado do Portão da Pólvora fica a Casa Municipal, hoje um teatro, antigamente a prefeitura. Pegando a rua Celetná, tem várias lojinhas de bugingangas. Os vendedores são atenciosos, falam inglês, não é problema. O preço é meio padrão, tem várias coisinhas bem bacanas pra comprar. Vale a pena andar até a ponte conhecendo as lojinhas e depois voltar.

A cidade tem bastantes cristais, é uma característica das lojas de bugingangas. Tem várias coisas bacanas, umas camisetas engraçadas, etc. No fim da rua Celetná cai na praça principal. A história da cidade é muito bem retratada na praça. Tem a igreja Nossa Senhora de Tyn, muito linda ver a igreja do outro lado da praça, de dia e de noite. Tem vários restaurantes e cafés e tem uns sorvetes deliciosos.

A TORRE DO RELÓGIO

Na praça em frente à famosa torre do relógio, de hora em hora, enche de turistas para ver a batida dos relógios. Nesse momento aparecem na janela dos 12 apóstolos, com os sinos batendo. No final, um homem toca corneta do alto da torre. Dá pra visitar o alto da torre. E também é possível comprar o ingresso logo embaixo, e em euros. Por incrível que pareça eles perguntam qual o idioma que a gente fala e dão um papel com as instruções em português, de como subir na torre.

O procedimento é simples, já com o ingresso na mão, saia do local que comprou (aos pés da torre) e vire à direita. Entre na porta de vidro do prédio ao lado. Pegue o elevador até o 3º andar. Saia à esquerda em direção à torre propriamente dita e pegue o elevador, meio primitivo, da torre. Pode subir pela rampa/escada também. O espaço no alto da torre é apertado, por isso procure ir nas primeiras horas da manhã, quando a cidade está mais sossegada. Mas a vista da cidade lá de cima é imperdível.

DSC00248.jpg DSC04755.jpg

A PONTE CARLOS

Seguindo o caminho da ponte Carlos, as lojinhas se espalham pelas ruas. Tem gente de todos os lados. Gente do mundo inteiro. Basta ser identificado como brasileiro pra ouvir um “Ronaldinho” ou “Romário”. É super agradável andar pelas ruazinhas, tem bastante restaurante, lojinhas, igrejas, estátuas, e gente, muita gente.

large_Imagem_133.jpg

Chegando à entrada da ponte Carlos, tem uma entrada parecida com o portão da Pólvora. É considerada uma das construções góticas mais importantes da história da arquitetura mundial. Uma igrejinha de São Francisco de Assis logo na entrada. Depois é inevitável atravessar a ponte, é a mais famosa de Praga. No meio da ponte tem a estátua de São João Nepomuceno. É a mais importante. Tem uma história que cerca esta estátua. Nepomuceno era um bispo para quem a rainha se confessava. Essas confissões se tornavam constantes levantando questionamentos do rei. O rei, então, pediu que o bispo revelasse os segredos que a rainha confessava. Ao se recusar, o rei ordenou então que o bispo fosse lançado do centro da Ponte Carlos. Reza a lenda que ele teria ficado preso pelo pé e dessa forma foi salvo. Os milhares de turistas que passam pela ponte passam a mão nos dois lados da estátua, que ficam até mais “brilhosas”.

A CIDADE NOVA

MALA STRÁNA

Do outro lado da ponte, está Mala Strána. O ambiente é um pouquinho diferente, parece menos antigo. Quando eu digo menos antigo, é do século XVIII. E parou por lá. Parece que pouquíssimas construções foram feitas depois do século XVIII. É lá que fica a Igreja de Nossa Senhora da Vitória, onde está o Menino Jesus de Praga. A igreja é sempre lotada, e no altar ao lado fica o menino Jesus de Praga. Celebridades costumam doar roupinhas que são mudadas constantemente.

O CASTELO DE PRAGA

Logo perto, fica a igreja de São Nicolau, e depois da igreja começa a subida do castelo, no bairro de Hradcany. A subida não é tão íngreme, é só ir indo bem devagar que dá tudo certo. O castelo é um complexo com 26 palácios e no centro a belíssima catedral de São Vito. Só a arquitetura externa dessa catedral já compensa a subida.. O interior não impressiona tanto quanto o exterior. Um cafezinho no fim da tarde no castelo e a vista da cidade de Praga são impagáveis. E depois, bom, pra baixo todo santo ajuda.

Imagem_262.jpg

A NOITE DE PRAGA

A cidade em si pára cedo. Por volta das 22h30 começa a diminuir bastante o fluxo de pessoas na rua. Mas é uma cidade segura, dá para voltar inteira pro hotel. Feita a parte mais importante da cidade, é legal fazer um passeio a pé à noite, pois a cidade iluminada tem outra vista. Vale ir até a ponte ver o castelo iluminado.

Outra coisa interessante pra se fazer à noite é pegar um passeio de barco no final da tarde, com jantar e música. É possível ver a cidade de Praga anoitecer em um ambiente super agradável. Os próprios hotéis vendem o passeio, você reserva e no horário certo eles vão te buscar. Tem uma passagem básica pra ver o pôr do sol da ponte Carlos (não se você pegar Praga nublada, rsrsrs), e depois um passeio pelo rio Vltava com jantar, coroando a noite com outra passagem pela Ponte Carlos iluminada. Essa foi a noite mais divertida de Praga, demos muita risada, quem passava pela nossa mesa achava que tínhamos tomado todas, mas não passou de Pepsi, eu juro!

O BAIRRO JUDEU

Se tiver tempo, vale visitar o bairro judeu. Existem várias sinagogas que são muito visitadas, principalmente a Starenovská. O cemitério judeu é bem famoso também, é bem diferente. Parece que hoje estão enterrados cerca de 100 mil pessoas lá. Inclusive está o túmulo do rabino Low, famoso por ter protegido o bairro da violência que assolava a Praga do século XVIII.

DSC00303.jpg DSC00663.jpg DSC04919.jpg

No caso de haver interesse de visitar o bairro judeu, atente para as datas. Nos feriados judaicos tudo fecha. Como pegamos a época do ano novo judaico, não foi possível visitar nada. O cemitério judeu a gente viu da janelinha, rsrsrs. Por ali também fica o Rudolfinum, a sala de concertos de Praga. A rua Paritská, com suas lojas de grife. O café Franz Kafka. Da ponte em frente ao Rudolfinum, é possível ter uma vista da bela Ponte Carlos e entender melhor porque sua arquitetura é tão bela.

A GASTRONOMIA

A gastronomia tcheca é focada na carne de porco e batata, como na Alemanha. Não tem necessidade de ficar só no junk food. A comida é bem barata. Se ficar na dúvida, um restaurante italiano resolve tudo. Dá para comer direito, é só procurar. Não se concentre na Praça da Cidade Velha, busque as ruelas que levam pra parte mais “moderna” da cidade. Tem um calçadão com vários restaurantes.

O CÂMBIO

O problema em Praga é a moeda. Você até se vira com dólar, mas tem restaurante que só aceita dinheiro. Aí, se você pagar em euros ele te dá o troco em coroas, na conversão deles. Normalmente a gente sai perdendo. Mas, paciência, raciocinar em várias moedas é complicado. Um Visa Travel Money é sempre bem vindo, uma vez que já converte na moeda local e não tem estresse de troco.

POR FIM

No final, se for possível encontrar um grande amigo pra fechar com chave de ouro...

DSC04971.jpg

Se tiver mais tempo em Praga, vale fazer os passeios de 1 dia para lugares próximos. Esses passeios eu não fiz, então quem fizer me indica depois...

Publicado por Akemi Nomura 17:43 Arquivado em República Tcheca Tagged praha praga Comentários (0)

(Textos 1 - 2 de 2) Página [1]