Um blog do Travellerspoint

Áustria

Viena

A mais elegante capital européia

semi-overcast 21 °C
Visualizar 2010 Europa no mapa de viagens de Akemi Nomura.

Nenhuma outra frase sintetiza melhor Viena do que a frase título deste post. É a mais interessante das cidades austríacas e um dos destinos mais sofisticados da Europa. A cidade é super organizada, limpa, com arquitetura belíssima e muitos parques. Viena é a cidade da música, das igrejas e dos cafés. Basta um curto passeio pela cidade para sermos abordados por pessoas oferecendo óperas.

large_IMG_2654.jpg

Em raras capitais do mundo, a sensação de segurança é tão grande. O transporte é eficiente, a cidade é pequena, mas os percalços do idioma dificultam um pouco a movimentação de turistas monoglotas. Os vienenses não são especialmente gentis (com os turistas). Melhor seria definí-los como solícitos, o que não é pouco. Em comparação com Budapeste e Praga, Viena é uma cidade relativamente cara.

Gastronomia

Os “würstel stands” podem ser encontrados a cada esquina de Viena e vendem as típicas salsichas austríacas (dica: pedia a Käsekrainer mit Semmel – salsicha recheada com queijo acompanhada do pão redondinho tipo francês). A salsicha tipo Viena que conhecemos aqui é na verdade a “Frankfurter” (uma polêmica engraçada: os austríacos a conhecem por Frankfurter = a de Frankfurt e os alemães a conhecem por Wiener = a de Viena). Os Gasthaus são boas opções para comer em Viena - são pequenas tabernas familiares que servem comida a preços bastante honestos.

No que diz respeito aos doces, a nota é 10, com louvor. O resto da cozinha vienense (salvo, é claro, as boas exceções) é um pouco pesada, com muita carne de porco e batatas, mas ainda assim bem gostosa. Jamais saia de Viena sem experimentar o delicioso wiener schnitzel e a sachertorte.
IMG_3078.jpg

Transporte

Uma cidade que conserva seus bondes tem sempre um charme especial. Viena tem várias linhas de bonde, que passam perto das atrações turísticas. Os ingressos são vendidos em máquinas dentro do próprio bonde e o itinerário, bem como o horário de chegada de cada bonde/ônibus, está indicado nas paradas. Metrô e ônibus também são boa alternativa numa cidade com trânsito leve. Os táxis ficam parados em pontos específicos. As tarifas equivalem às do Brasil e os motoristas não costumam aplicar golpes. Não vale a pena alugar um carro, a não ser que você pretenda passear pelo interior da Áustria.

Uma opção é um cartão chamado Vienna Card ou Wien-Carte. Por um preço razoável, se pode usar toda a rede de transportes públicos sem comprar bilhetes e terá descontos em quase todas as atrações, inclusive alguns restaurantes, concertos e peças de teatro. O cartão vale por 72 horas a partir de sua validação (você deve autenticá-lo em máquinas especiais nos ônibus, nos bondes ou na primeira atração em que você for utilizá-lo). O cartão está à venda no aeroporto e nas estações de metrô/ônibus. Em alguns hotéis também há indicação de como adquiri-los. O símbolo das estações de metrô é o U de U-bahn (Unterbahn ou trem do subsolo).

VIENA POR PARTES

Graben

A dica é passear a pé por Viena. Suas ruas em qualquer horário transbordam segurança. Nosso primeiro passeio pelo Graben no início da noite pra ter um primeiro gostinho de Viena foi a melhor escolha. Se for sábado à noite então, melhor ainda. A belíssima loja da Swarovski e a Catedral de Stephansdom iluminadas são uma atração. Terminamos a noite saboreando o delicioso Wiener Schnitzel do Zwoelf-Apostelkeller (um restaurante construído em 1339).

IMG_2569.jpg

Schloss Schönbrunn

large_DSC05049.jpg

O Palácio de Schönbrunn, em Viena, é um dos maiores e mais bonitos do mundo, e tem sua história associada à dinastia dos Habsburg, que dominou a parte da Europa por mais de 600 anos. A Áustria era seu país e Schönbrunn era seu palácio. Hoje, seus 1440 aposentos guardam lembranças de um tempo em que brilhava nos salões do palácio amarelo a estrela de Sissi, Imperatriz da Áustria e Rainha da Hungria.

Schönbrunn foi testemunha de um dos mais belos contos de fada da vida real. Em setembro é possível visitar os jardins floridos, uma paisagem única. Um dos pontos mais divertidos dos jardins do palácio sem dúvida é o labirinto. Parece brincadeira de criança. Mas realmente não é nada fácil achar o fim da linha. Mas com um pouquinho de sorte dá pra chegar no centro...

Catedral de Stephansdom

A Catedral de Stephansdom é a construção gótica mais importante do país e símbolo da cidade. Um passeio pelas catacumbas é recomendado, mas atente para os horários das visitas. Mas, jamais saia da catedral sem visitar ao menos uma das torres da catedral. Veja Viena do alto e, principalmente, veja de perto o colorido telhado da catedral. Vai no mês de setembro? Leve um casaco, lá em cima venta pra caramba. Para subir tem que pagar 3,5 euros. Paga direto pro cara do elevador.

Palácio de Hofburgo e Biblioteca Nacional

A Biblioteca Nacional integra o complexo arquitetônico do Palácio de Hofburg. Junto a outros três museus, ela ocupa um dos edifícios mais belos da capital. O Palácio de Hofburg está no coração de Viena e é um dos símbolos mais destacados do patrimônio cultural austríaco. Os Kaiserappartements (antigos aposentos dos imperadores) e o Museu da Sissi são as áreas internas mais visitadas do Palácio. O edifício conhecido como Michaelertor é um dos portões de entrada do Palácio e o pátio In der Burg é o maior de todos do complexo, e exibe um monumento em homenagem ao imperador Franz Joseph II. A porta suíça renascentista do Pátio Schweizerhof data de 1553 e está na parte mais antiga do Palácio de Hofburg. Seus imensos jardins floridos e arborizados são tentadores para uma parada de descanso da caminhada.

large_DSC00703.jpg

Ópera de Viena

A ópera de Viena foi inaugurada em 1869 com a apresentação da ópera de Mozart “Don Juan”. É considerada como uma das melhores e mais famosas do mundo.

Museus

Ao redor da MariaTeresienPlatz fica um importante complexo de museus. De um lado fica o Museu de História natural e do outro fica o Museu de História da Arte. É impressionante a arquitetura espelhada dos dois edifícios. Ali perto está o Museum Quartier Wien (quarteirão dos museus), que reúne o Leopold Museum, o Ludwig Foundation Vienna, o Zoom Kindermuseum e o Architekturzentrum.

Mariahilfestrasse

Esta é conhecida pelos vienenses como a rua mais comprida do mundo. Bom, se é eu não sei. Mas que é uma delícia bater perna por ali, entrar em umas lojinhas e comprar umas coisinhas, ah isso é. Com um mapa na mão é bem fácil chegar lá. Quer uma dica, procure pela estátua de Goethe. Dali fica bem perto. Depois é só pegar uma rua paralela e ir almoçar no Siebensterbräu. Se for pra parte externa, no fundo do restaurante, e estiver ventando, eu aconselho tomar muito cuidado com as castanhas.

Parlamento e Prefeitura

O próximo passo na Ringstrasse é o belo prédio do Parlamento. Este edifício de estilo neo-clássico foi projetado para atuar como edifício do Reichsrat (o Parlamento da parte Austríaca do império de Habsburgo). O prédio seguinte é um dos mais bonitos da cidade, o Rathaus, prefeitura de Viena. Ali mais um convidativo parque espera para a próxima parada de descanso.

DSC00672.jpg

Dica de Hotel

Bem localizado, boa infraestrutura e bom preço. Recomendo fortemente o hotel All You Need 2 em Viena.
http://www.allyouneedhotels.at/en/hotels-vienna-salzburg-klagenfurt/hotel-vienna-1020/services.html

OUTRAS DICAS DE QUEM JÁ MOROU EM VIENA:

  1. Uma visita diária a um dos cafés de Viena, sem stress quanto às calorias – são tantos cafés em Viena que são dignos de visita que é até difícil selecionar alguns, mas aí vai uma pequena lista: Café Central (fica no 1º. Distrito a poucos passos da Ópera), Café Landtmann (em frente à Rathaus ou Prefeitura, um dos cafés preferidos de Freud), Café & Konditorei Heiner (fica na Kärtnerstrasse, a rua de pedestres que sai da Ópera e vai até a catedral), o famoso Café do Hotel Sacher (onde se pode comer a tradicionalíssima torta Sacher, criação do hotel), o antigo café Hawelka (onde tudo parece ter mil anos) dentre outros. Em qualquer café, sinta-se em casa – é lá que os vienenses se sentem mais à vontade;
  2. Uma noitada de muito vinho novo nas canecas de um heurige bem típico, no bairro de Grinzing, nos arredores da cidade (basta pegar o bonde 38 no centro da cidade e descer na última parada – dica: um dos melhores heuriges se chama “Zum Martin Sepp”);
  3. Outro castelo que vale a pena conhecer é o Schloss Belvedere que fica perto da estação de trem Südbahnhof. Ele é dividido em duas partes (alta e baixa). A melhor entrada é a da parte alta, na Prinz Eugen-Str. 27, onde os jardins estão sempre floridos. Contornando o palácio, mais jardins e a vista para a cidade e para a parte baixa do castelo. Nas duas partes, existem exibições de arte. Na parte alta (Oberes Belvedere) se encontra uma enorme coleção das peças de Gustav Klimt, o austríaco famoso pelo quadro “O beijo”. Basta pegar o bonde linha D (direção Südbahnhof), parada Schloss Belvedere.
  4. Visitar a coleção de obras do Kunsthistorisches Museum (o museu de arte), as lembranças do museu judaico (Jüdisches Museum) ou do museu técnico (Technisches Museum – perto do Schönbrunn);
  5. Pegar um táxi até a Donauturm, a torre que fica na beira do Danúbio, que tem um restaurante e café giratório e de onde se tem uma vista espetacular de toda a cidade;
  6. Um concerto cuja programação inclua se possível, peças de Mozart ou Strauss;
  7. Uma apresentação do coral “Os Meninos Cantores de Viena” (Wiener Sängerknaben) aos domingos na Burgkapelle;
  8. Jantar no restaurante Figlmüller do centro – fica numa ruela atrás da catedral (ver figura abaixo). Aqui é o lugar de comer o famoso “Schnitzel mit Kartoffelsalat” (schnitzel é o bife a milanesa fininho que vem com salada de batata). O restaurante é pequeno e antigo, mas um clássico e o preço é bem justo. O schnitzel é maior que o prato;
  9. Jantar: no Heurige no 19º distrito – o local típico para apreciar comidas simples e rápidas e tomar o vinho da casa, no distrito das vinícolas. O suco de maçã ou pêra também vale ser provado. Delícia. O bonde 38 sai da Schottentor (perto do hotel) e a última parada é em Grinzing (o bairro boêmio). Basta sair andando pela rua principal e escolher o heurige mais animado. Um dos que eu mais gostava é o "Zum Martin Sepp" que fica na Cobenzlgasse 34. Dá pra ir de dia e ficar nas mesas ao ar livre, dependendo do tempo;
  10. Museu Judaico de Viena – fica numa praça do 1º distrito e a escultura no meio da praça simboliza uma biblioteca. A entrada é bem escondidinha na Dorotheergasse 11. Bem pertinho dessa praça, fica um cinema que passa os filmes originais em inglês (uma das poucas opções na cidade);
  11. Um passeio bem tradicional é a visita a Hundertwasserhaus – aquela casa toda torta e mega colorida que é um marco da arquitetura de Viena. Fica no 3º Distrito, na esquina das ruas Kegelgasse e Löwengasse;
  12. Demel Konditorei – Uma das mais tradicionais e antigas da cidade. Briga com o Hotel Sacher pra dizer quem tem a melhor torta Sacher do país. É bem antiga, por dentro lembra muito a Confeitaria Colombo e tem mais de 60 opções diferentes de tortas. Acho que se pode ver a cozinha e ver como eles confeitam as tortas. É famosa pelas vitrines confeitadas, sempre com alguns temas atuais;
  13. Café Landtmann – em frente à Rathaus (prefeitura), onde Freud sempre ia (a torta Williams Birne, de pêra com chocolate, era uma das minhas preferidas);
  14. Café Central – Café super antigo também. Uma tradição da cidade;
  15. Sorveteria italiana Zanoni & Zanoni – fica bem pertinho da catedral. Serve café da manhã e sorvetes deliciosos. Fica de frente pro prédio onde fica a embaixada brasileira;
  16. Outra sorveteria super-fofa e uma delícia também é o Eissalon Tuchlauben, quase na rua de pedestres do Graben;
  17. Uma boa pedida para um lanche ou café rápido é o Rosenberger que fica numa ruela atrás do Hotel Sacher. É um misto de restaurante-lanchonete que funciona quase que 24hs. No térreo tem uma lojinha com vários artigos típicos austríacos e um café rápido e no subsolo o restaurante onde você escolhe o que quer comer/beber de vários stands. Quando eu morava em Viena, vinha de vez em quando tomar um chocolate ou café e comer uma torta e sempre tinha uma promoção de levar a caneca pra casa (lá em casa têm várias, hehehe).

Publicado por Akemi Nomura 18:46 Arquivado em Áustria Tagged austria viena Comentários (0)

Salzburgo

Terra de Mozart

rain 17 °C
Visualizar 2010 Europa no mapa de viagens de Akemi Nomura.

Quando se pensa em Salzburgo o primeiro nome que vem à cabeça, sem dúvida nenhuma, é Mozart. Aqui nasceu e cresceu o gênio da música clássica que conquistou o mundo. Ainda hoje, Salzburgo transpira Mozart e sua arte. Salzburgo é uma cidade pequena, e em seu centro histórico encontram-se as maiores atrações da cidade. Cercada pelos Alpes austríacos, suas ruas estreitas e construções medievais são principais características.

Passar por Salzburgo e não parar pelo menos por algumas horas é um pecado. Descendo na estação de trem, procure os “lockers”. São armários em vários tamanhos em que você pode guardar sua mala. Tem armário que cabe até a mala tamanho G, com mais uma mochila. Não há lugar para comprar ficha. Tem uma máquina no meio da fileira de armário. Você identifica o armário vazio, digita o número, deposita o valor referente a 24h e, por uns 30 segundos, você coloca sua bagagem e fecha a porta. Pronto, você está livre das malas e pode ir dar uma volta no centro histórico da cidade.

Lá mesmo na estação pegue um mapa no Centro de Informação ao Turista. Eles dão boas dicas dependendo do tempo que você decidir ficar na cidade. Depois de uma pequena caminhada, você alcança o famoso Jardim de Mirabell. Ah, eu não falei. Salzburgo também é a cidade de origem do Mirabell, que mais tarde no Brasil passou a ser conhecido como waffle. Se quiser experimentar os originais, o lugar é esse.

Voltando ao Jardim de Mirabell, foi construído em 1606 pelo príncipe Wolf Dietrich, e reconstruído após o incêndio da cidade, ocorrido em 1818. Fica no sopé da montanha onde está o castelo Hohensalzburg e no local há estátuas, escadarias, muitas flores, e geralmente é o local escolhido para concertos públicos e casamentos de luxo. O jardim florido é absolutamente encantador. Fácil perder boa parte do dia ali.

large_Imagem_029.jpg

Salzburgo oferece a opção de aluguel de charrete para passear pela cidade. Não fiz esse passeio e me arrependi. Dica de um brasileiro que conheci em Viena: alugue a charrete e vá comendo uma barra de chocolate Mozart enquanto passeia. Falando em chocolate Mozart, é um dos carros chefe de Salzburgo. Tem a loja específica que só vende o chocolate Mozart de vários tipos, porém, eu recomendo fortemente você resistir a tentação e comprar no supermercado. É bem mais barato.

O ponto alto da visita é o prédio de fachada amarela com letras douradas “Mozart Geburtshaus” (casa do nascimento de Mozart). Fica na rua Getreidegasse, 9. É super fácil achar, é só seguir a multidão que vai em busca do mesmo destino. É parada obrigatória. O prédio continua perfeitamente conservado, e lá estão móveis da família, violas, violinos, pianola e outros instrumentos utilizados em sua infância.

large_Imagem_049.jpg

A Getreidegasse é a mais famosa rua da cidade e um daqueles pontos que não se pode deixar de conhecer. É uma rua medieval, repleta de lojinhas, restaurantes, um passeio agradável mesmo pra quem não vai às compras. Sua principal característica são os ornamentos de metal, verdadeiros trabalhos artísticos dourados, pendendo sobre as fachadas, e que indicam o tipo de atividade desempenhada em cada estabelecimento. Nas sapatarias há um ornamento na forma de calçado, nos chaveiros uma chave pendurada, e assim por diante. Hoje em dia isto é uma das mais interessantes curiosidades desta rua medieval, mas antigamente, quando pouquíssimas pessoas sabiam ler, os sinais tinham uma utilidade prática, pois serviam para indicar ao povo o tipo de serviço que cada estabelecimento comercial desempenhava.

large_Imagem_050.jpg

DICAS DE LUGARES QUE EU NÃO FUI E DEVIA TER IDO:

• O castelo Hohensalzburg, no alto de um morro, domina toda cidade, e é uma visita obrigatória em Salzburgo. Sua construção foi iniciada em 1077 pelo príncipe arcebispo Gebhard, sendo depois muito aumentado durante o século 16. É a maior fortaleza conservada da Europa central e pode-se chegar lá a pé, ou então pegando o trenzinho funicular que sai da Festungsgasse. Seus pontos mais interessantes são os aposentos em estilo gótico, o museu Rainer e o museu Mundo das Marionetes, onde há marionetes de vários países, inclusive do famoso teatro de marionetes de Salzburgo;

• O museu da catedral, com tesouros da idade média ao século 19. Outro local muito interessante é o Museu de Salzburgo de Arte e História, situado na Museumsplatz, onde estão objetos contando a história desta cidade;

• Outro ponto muito lembrado na cidade é o Convento Nonnberg, na rua Nonnberggasse 2, lar das freiras Beneditinas, fundado em 1700 por S. Rupert. Lá pode-se visitar sua linda basílica e cripta, ver os afrescos do ano 1150 e conhecer a capela de São João. Depois caminhe até o Stieglkeller, bem aos pés do castelo, de onde se tem uma das melhores vistas da cidade;

• Na rua Griesgasse 23 situa-se o museu de roupas típicas de Salzburgo, onde pode-se conhecer vestimentas típicas de várias épocas. Uma caminhada ao longo das margens do rio Salzach é uma boa idéia para quem procura por belos visuais e pontos privilegiados para boas fotografias. Atravesse a ponte de pedestres que se vê ao fundo e vá explorar também o outro lado da cidade. Embora menos procurado é também muito bonito;

• Visite também a Altes Rathaus (o antigo prédio da prefeitura), construído em 1407 e aprecie seu imponente portal de mármore, a estátua da Deusa da Justiça e o interessantes relógio lunar. Depois vá até a Dreifaltigkeitsgasse, belíssima igreja construída entre 1694 e 1702, repleta de esculturas e outras obras de arte;

• Quando chegar no final do dia pegue o elevador Mönchsberg, e vá até o Café Winkler, para fazer uma refeição e apreciar toda a beleza da cidade de Mozart ao cair da noite. Ou então passe no Augustiner Bräu, na rua Augustinergasse 4 para experimentar uma típica cerveja de Salzburgo, servida diretamente de barris de madeira em canecas enormes, exatamente como já faziam os monges Augustinos, em 1621. O salão é lindo, o ambiente super animado, e aqui você já pode começar a fazer os planos de quando vai voltar a esta cidade tão especial;

CURIOSIDADE:
Salzburgo também é muito lembrada por ter sido o set de filmagens de um dos mais famosos musicais de todos os tempos, A Noviça Rebelde (The Sound of Music). A história relata as aventuras de uma jovem que desiste do convento ao se apaixonar por um aristocrata de Salzburgo e passa maus momentos até ser aceita pelos sete filhos do barão Von Trapp. A família Von Trapp existiu de fato, fugiu de Salzburgo quando a Áustria foi ocupada pelos nazistas e radicou-se nos Estados Unidos. Até hoje diversas locações do filme continuam atraindo curiosos e cinemaníacos a Salzburgo, inclusive a mansão Von Trapp, agora transformada em hotel de luxo.

Publicado por Akemi Nomura 12:42 Arquivado em Áustria Tagged salzburg austria Comentários (1)

(Textos 1 - 2 de 2) Página [1]