Um blog do Travellerspoint

Chile

De volta pra casa

sunny 16 °C
Visualizar 2019 Atacama e Uyuni no mapa de viagens de Akemi Nomura.

Acordei cedo, pra variar, e quando deu 5h30 fui direto ver o salar da janela do hotel. Sério, eu super curti a experiência de dormir em um hotel de sal dentro do salar, praticamente. O hotel Luna Salada é considerado um dos melhores hotéis da região, se não for o melhor. O atendimento é impecável, os quartos confortáveis, a calefação funciona, rs, tipo, gostei de tudo. A comida talvez seja o calcanhar de Aquiles mas, na boa? Tá tudo bem! Foi uma ótima noite numa altitude mais confortável. Aqui estamos em torno de 3600m, ou seja, 1000m a menos que a noite anterior.

EA02B3DE-4B48-4904-80C8-3F3F48E121B4.jpegBD157F58-0594-40DF-9FFD-2EF8225271F2.jpeg

Hoje a saída era às 8h. Pra não ter correria combinei com as meninas de tomar café às 7h. Hoje Rosana não acordou bem de novo. Esse negócio de altitude é muito individual mesmo. Ela não estava tão mal quanto anteontem, mas dava pra perceber pela fisionomia dela que ela não estava legal. Descemos pra tomar café e curtir aquele restaurante muito doido. Já falei sobre isso ontem mas vale repetir: tudo de sal... A vista? O Salar! Fui enganada por algo que achei que era uma empanada e era algo massudo e doce. Mas tinha ovo no café da manhã então eu não precisava de mais nada. O Sorochji acabou então hoje o remédio contra a altitude era café e chá de coca. Além de folha de coca pra quem quisesse mascar e balinha pra quem não tiver coragem de mascar a folha.

60222D70-30AF-4C12-8F11-CDF657335C7D.jpeg0F96857A-1141-4D9F-95E6-40F693702A20.jpeg48DFCD3D-045A-4B00-9FA3-859CB54BD014.jpeg85AC888E-28CC-452D-9416-1F91F7A9100F.jpeg

Deu 8h e pouquinho o Wladimir e a Karen chegaram pra pegar a gente. Enchemos as garrafas de água e partimos pra última jornada no deserto. Fomos pra última parada turística pouco depois da cidade de Uyuni: o cemitério de trens. Eu não sei como explicar em palavras esse lugar. Parece estranho dizer que um monte de trens abandonados possam se tornar uma obra de arte no deserto? É mais ou menos isso o que eu vejo aqui. A ferrovia foi construída no auge da exploração de minérios da região. Assim toda riqueza era levada para Antofagasta que, na época, era a saída da Bolívia para o Pacífico. O fim das atividades da ferrovia se deu por uma junção de vários fatores entre os anos de 1920 e 1930. Criou-se assim um lugar sui generis no meio do deserto que significa uma história do apogeu ao esquecimento. Mas que rendem boas fotos.... rs.

B2B1BC64-0AAA-4255-8FB9-A93ECD67BA97.jpegEFD06CCD-7EC3-4FA6-AF0A-B62018EB6A5E.jpeg18A91D98-BA2B-4DE7-AA09-753149168076.jpeg2B92516B-16A3-41B7-8E61-274145C3E33D.jpeg3F7BECB0-FC99-4A89-B7E6-D26688724A40.jpegE60C6D33-2123-436B-9820-718886FDA49C.jpeg41B789DF-FA2E-4C36-A280-DF2B4F51ACB9.jpeg377AEC6A-3927-4F94-883F-6439BD37601F.jpegA97C9237-40DE-4F84-9652-3CA13EEE7F47.jpeg

Agora nosso rumo seriam 3h de viagem deserto abaixo até a parada para o almoço. Mas antes fizemos um pit stop em San Cristóban. A ideia era dar uma paradinha numa farmácia mas pelo horário as coisas não funcionavam ainda. Mas já que estávamos lá fomos no banheiro. Assim, não vou mentir, o banheiro era bem "disgusting". Ainda pagava 1 boliviano. Mas a necessidade faz a gente esquecer certos nojinhos, hehe. A regra do deserto é nunca perder uma oportunidade de ir ao banheiro e nunca encostar em nada. Depois nada como um banho de alcool no carro! Nessa parada compramos umas batatinhas pra dar aquele up até a hora do almoço.

2AE801BE-5896-44CC-AAA6-90CC2F387FDB.jpeg45A0002A-0D56-4A8D-8D3C-F767ECC78DD1.jpegD90BB830-84B4-4A07-829E-4B4AAB1449D4.jpeg

Seguimos meio que dormindo, meio que acordadas. Teve uma hora que olhei para trás e estava só a Karen acordada. Fizemos um pedaço de estrada e depois voltamos para o bom e velho deserto. Esse dia era só de retorno mesmo. Até que chegamos numa comunidade que paramos para almoçar. Tinha uma vista bonita dali. A paisagem da janela parecia um quadro. As lhamas que estavam longe até chegaram mais perto pra compor a paisagem. Enquanto o almoço não ficava pronto rolou umas fotinhas. Depois saiu o rango e nos juntamos pra última refeição com nossa dupla Wladimir e Karen. Ah, a aproveitamos a chance de ir ao banheiro sem pagar também, hehe.

FFAFEDAF-6CA5-4D35-95B8-11F43097F24D.jpeg7366C17F-B0EA-4199-8070-F434ADB39AE5.jpegBD4DDB0D-1A42-4FED-A19A-0DD909BDF7D6.jpeg4BB4E6B2-33D1-4644-97D6-3E77A391266E.jpeg164AF58C-00F8-40C9-A484-3DD98D0E02ED.jpeg7CAED01F-BEA6-4C6A-B292-7F5141035066.jpeg

Aí meu amigo, era chão, chão, chão, chão.... Teve hora que dei uma pagada. Saímos 13h30 e a previsão era chegarmos 16h30. Foi tranquila a viagem, saculejava bem menos do que eu imaginava. De Uyuni até a fronteira eram 400km. Logo que avistei o Licancabur sabia que estávamos chegando. Dessa vez a imigração foi rápida porque na saída cada um volta em um horário. Só tinha a gente pra carimbar o passaporte. Depois ficamos no carro porque o transfer não havia chegado. Acho que levou uns 20 minutos até eles aparecerem. Trocamos de carro e fomos pra entrada no Chile. Primeiro chegando lá nos deixaram um bom tempo esperando no carro. Detalhe, só tinha a gente. Aí chamaram a gente pra dar entrada na imigração e quando eu entro na salinha dou de cara com 3 funcionários jogando videogame. Sério! Nem sei que cara eu fiz, só virei e fui pro balcão. Passadinha no banheiro e fomos pra parte de bagagem. O cara olhou bem por cima e pronto. Na mala só perguntou se só tinha roupa e nem abriu. Dessa parte eu nem reclamo porque só tinha isso mesmo. Tudo turista voltando de passeio na Bolívia, nada grave!

A24B3E8C-C3D9-491D-9A2E-88091804479D.jpegD977BA91-432C-4372-B591-0D9278361B72.jpegB0F4D59A-B2E7-4366-AB9E-C47CADE52BB9.jpeg60232707-D1FC-4764-837A-545D1071B3C5.jpeg95F214E0-D952-4052-BA02-B1826B9F1312.jpeg7F217313-930B-4C5C-B539-02448EC75E01.jpeg

Curti muito essa paisagem!

A2909AC7-94B8-44F4-8893-51F1F7EA2676.jpeg76D7090F-3B7E-4CC8-832D-0C66F5B716B8.jpeg6725CD4E-478F-4E7A-87DB-9E1C07BFA713.jpeg

Bom, voltando pra van era ladeira abaixo literalmente. A fronteira ali eram 4600m de altitude e San Pedro em torno de 2500m. Voltar pra San Pedro já vai ajudar Rosana, em que pese a umidade caia também. São 45km da fronteira até o hotel. Pronto, lar doce lar. Foram 3 dias bem puxados na Bolívia mas acho que foram na medida. Tem tour de 4 dias também mas acho que ia ser demais. Esse de 3 dias foram o suficiente. O por do sol em Uyuni foi de cair o queixo. Agora era começar a fazer a rota pra casa.

Pegamos outra cabana dessa vez. Eles guardaram nossas malas direitinho aqui. Gente, se você for fazer Uyuni o ideal é ir com menos mala possível porque o espaço no carro é limitado. Como a gente ia voltar e pro mesmo hotel foi só conversar lá com eles que guardaram pra gente. Eu super curti o Cabanas Kirckir. O casal é muito simpático e está disponível para ajudar em qualquer coisa. Eles tem transfer também viu? Fechou a estadia já conversa com eles sobre transfer. O café da manhã era bem gostoso e como os passeios saíam cedo eles preparavam um lanche e entregavam na noite anterior. Se quiser pedir que entregue o café da manhã na noite anterior também pode. O local é uns 10 minutos andando até o centro, nada de outro mundo. Tem uns 3 mercadinhos pro perto que atenderam nossa necessidade. A empanada ali era ótima e foi nossa janta vários dias. O centro de San Pedro é legal mas é pequenininho e não achei que valia a pena ficar lá perto (pagar mais caro ou ficar em lugar apertado). Ah, no Chile, pague em dinheiro e não vai precisar pagar imposto.

ACD9560A-470F-46FE-8BFC-1E20F6DC1E2E.jpegC12B2524-B0AA-49BC-BDC1-8E72BA7FF4E5.jpeg

Fomos no mercadinho pra última refeição. Compramos as bebidas, empanadas, batatinha, enfim, o necessário. Não tinha meu refri e da Rosana então entreguei a chave pra Gabi e mamãe e fui com Rosana em outro mercadinho. Lá achamos a Coca Zero e o Trencito. Voltamos pra casa e jantamos naquele papo de fim de dia. Agora era organizar as coisas pra viajar amanhã.

O nosso voo estava programado e o transfer ia passar 11h. O voo era às 17h mas eu preferi deixar o transfer nesse horário pra não ter correria. Acordei cedo no dia seguinte e deixei tudo meio organizado pra receber o café da manhã. Hoje era o dia que dava pra dormir mais um pouco. Mas como eu acordo cedo mesmo. Recebi o café às 8h30 e já fui comer. Aos poucos foi chegando geral pra mesa. Demos aquela geral e estava tudo pronto pra partirmos. Nosso voo não estava na lista dos cancelados hoje. Se fosse ontem.... mas hoje não! Ufa! A van chegou pouco depois das 11h e fomos pro aeroporto depois de passar em vários hotéis.

865C0AB1-96E9-491F-8542-BACE845DB547.jpeg5744B314-75C7-4CCA-A22C-B195D417E867.jpeg364752C4-2F62-4B4E-90EF-B44C94AC2772.jpeg

O aeroporto de Calama estava tranquilo. Como o check in não estava aberto fomos almoçar e depois descemos pra despachar as malas. Voo Calama x Santiago saindo, minha maior angústia estava resolvida. Se perdêssemos esse voo poderíamos perder o voo internacional. Mas tudo deu certo! Papai do céu cuidou da gente e as manifestações que ocorriam no Chile e na Bolívia não chegaram a nos atingir.

Às 19h chegamos em Santiago. Descendo já me assustei vendo aquelas lojinhas ali no embarque todas fechadas. Fomos pegar nossas malas e ver se dava pra antecipar o voo. Nosso voo era só amanhã. Primeiro na fila do check in uma funcionária da Latam disse que não tinha voo. Não botei fé nela e fomos na loja da Latam. A moça disse que tinha sim para 23h e dava pra antecipar a um custo de US$97 por passageiro. Mas quando ela olhou minha reserva disse que podia antecipar sem custo porque sou Platinum. Bom, o que importa é que antecipou a minha e da mamãe sem cobrar nada. Daí despachamos as malas e nos despedimos das meninas. Detesto essa parte.

DF1A61BB-6D2B-4DDF-8045-9B81E47605FA.jpeg284F958B-13CA-4B88-BDAB-2716E034FAA0.jpeg2E6A2CE4-8FE7-4613-8062-B9E86B40BF5C.jpeg26BAA48D-98DE-4315-9C79-E1D92798D42D.jpeg4898DFE8-C48B-4DF2-851C-1834E3B53727.jpegC1849B34-12BA-4E41-96CF-5D8BB29B52A5.jpeg7E26A94D-943F-4EC3-BCC5-88EB60EDC226.jpeg

Embarcamos e mamãe foi olhar o vinho. Gente, acredita que me senti meio mal nessa hora. Sei lá, parecia que o coração estava acelerado (mas não estava). Aquela sensação de angústia, de ansiedade... joguei a bolsa e a mochila no chão e tirei o casaco que, mesmo leve, me fazia mal. Nossa, nem quis parar pra olhar chocolate, hehe. Não devia estar bem mesmo. Pagamos o vinho e fomos para sala vip da Latam. Eu fui cheia de expectativa afinal o hub da Latam era em Santiago. Esperava "a sala vip". Uma bosta! Desculpe a expressão mas a sala era bem mequetrefe. Nem cheguei a subir porque meu estado físico não me permitia mas avaliando a parte de baixo.... pouco lugar pra sentar e buffet bem fraco. Enfim, peguei um sanduíche mais ou menos e uns dois pães pra comer com manteiga. Era o que tinha. Não curti! Ano que vem eu devo ser rebaixada mas, honestamente, por essa sala vip não vale muito a pena não.

827D0AD4-F421-428D-B1A1-80FA42E00FAA.jpegF5BF086B-B062-4D39-A237-384421F3DCAF.jpeg2894EA69-2951-4987-8BD3-5AF11855EB8E.jpegFEF921BC-3D47-4B05-BD18-A5634791D3C4.jpeg

Enfim embarcamos! Partiu Brasil e até a próxima Chile!

P.S.: Só pra deixar registrado que o aião arremeteu na chegada em São Paulo. Acho que foi pra acordar a galera....

Publicado por Akemi Nomura 10:09 Arquivado em Chile Comentários (0)

Uyuni

Finalmente o Salar

sunny 11 °C
Visualizar 2019 Atacama e Uyuni no mapa de viagens de Akemi Nomura.

Definitivamente não dormi bem essa noite, acordei várias vezes. Acordar cedo não é problema pra mim mas dormir picadinho assim é terrível. Essa noite fez -8 graus. O aquecedor do quarto é fraco. Foi bem difícil levantar. Eu fui trocar de roupa e a cada peça que eu colocava eu deitava embaixo das cobertas para esquentar e descansar. Estamos a 4600m de altitude e até trocar de roupa é um esforço excessivo. Fui chamar as meninas pra tomar café e Rosana estava com outra cara. Nada como uma sessão extra de oxigênio. Parecia outra pessoa, ontem ela nem falava. Descemos pro café da manhã e pudemos apreciar a vista do deserto. Cara, o hotel é simples, mas se hospedar na meio do deserto do Atacama é uma experiência de vida. Pensa na vista do restaurante...

9E029781-3573-49C6-B8AC-CDDCDBAAB2F4.jpeg6E4B80E6-DED6-4841-BED6-6D9EBE4CD5D8.jpegAB5B5A70-3333-4FC1-9223-7A7F04FA8E74.jpegFC588EE1-ECF4-426E-92B3-260E381D2456.jpeg14FE0006-3CCF-4ACF-A40B-7FF518E55426.jpeg3C547E96-A688-4666-9BB1-11DE7B37C00C.jpegDF229F50-9667-4729-8D2B-A78F8495584A.jpeg

Hoje começamos o dia nas lagunas altiplânicas bolivianas. A altitude é de cerca de 4100m. Descemos um pouco pra chegar aqui. Mas ainda estamos muito alto. Fizemos uma primeira parada na laguna Honda. É uma laguna de água salgada e profunda. Primeira coisa que nos chamou a atenção foram os flamingos no meio do lago. A Karen disse que eles estavam juntos e não saíam dali porque o lago congelou. Com o sol subindo o gelo derretia e eles saíam dali. Que dó gente! Eles tem o corpo adaptado pra temperaturas baixissimas. Tinham umas pedrinhas ali que formavam um pequeno portal. Com um jogo de perspectiva o Wladimir tirou uma foto massa.

E458C023-BA47-47F4-8AB4-F834E6350843.jpeg5152134C-6DC8-4888-A19A-66C43CBBBE14.jpeg2B697F7C-9316-4580-804A-A2AB38AEF74A.jpeg7CE2548F-6709-4ACC-940D-392342283C4D.jpegF6DECCE8-FD4E-4E22-B1A4-1EE07603AA35.jpeg9AEC4254-7217-44EE-883B-A62CADC3C4BF.jpeg57E9AB35-17C0-4F8D-BC51-5061AE4F8E51.jpeg1E5149C3-90D3-422F-80F7-012149511946.jpeg19E1F649-AF30-42F4-83CC-92E6F4125E91.jpeg7DEE217C-CEDD-41EC-AC78-C087E891519B.jpeg034E5D88-31AD-42A9-A0F8-59B15B415DC3.jpeg

A segunda laguna chama laguna Hedionda (fedida). Esse nome se dá por causa do cheiro de enxofre ali. Mas é a laguna com mais flamingo que vimos. Tinha muito flamingo ali. A laguna é rasa e os flamingos são mais acostumados com pessoas. Claro que não interagem mas não fogem se chegarmos próximo. Falamos baixo ali pra não assustar. Tem três espécies de flamingo ali e deu pra tirar umas fotos massa!

59794420-23B9-4EEA-9315-252D8378F109.jpeg30EA21C3-84A3-4AC9-9A0D-1C063D6CC472.jpeg49583467-28D5-478B-9B8E-85759B2EDE13.jpeg4B71E3BE-124F-4D97-A283-9CF404B1AA10.jpeg5BE4FA05-80BF-4A61-BEC8-EC99373E896F.jpeg7FDBAA86-6CF6-4821-AB40-9774892F6D32.jpegB51B6D9E-1264-40EE-9048-90B59E64828F.jpeg47F1313F-A7AA-4372-BAD0-E005DBFAB6BD.jpeg8BF329A7-3BD4-485A-8F26-8EACB3195E43.jpegCA22ADD5-CD4E-44DB-8C3F-ED5B305BDEF0.jpeg

Deixa eu quebrar essas fotos pra não ficarem tudo junto. Não consegui selecionar, como deu pra perceber, hehe.

9A14F184-B733-4296-AE41-5DEACBD90DA2.jpegE0DE0695-A498-40AF-B784-D44E780191A4.jpegC0C954D0-1EFC-49AC-9E7E-C5C8EFC0FA18.jpeg0D8395E9-1B10-46BF-8087-1DF18866869B.jpeg68AF0EC7-0653-4C46-8655-B53A0B25AA2B.jpegADEBE1F3-907E-4E70-995C-15C5493E195C.jpeg836BEBFD-3B8B-4BC8-A631-2B52C0E128AC.jpeg017BC92A-E9C5-4EC1-B3D7-680430BEB34B.jpegCDA7FEF8-0D19-48AD-A290-B8F76BCCC92B.jpegB4BC1752-52B6-493B-AA24-8377ACC52E28.jpeg4434C759-7CB0-43DB-8903-5743C77DA59B.jpeg87F9A030-F5DC-4582-88BA-F3F8CD4EEC44.jpeg15E73255-EF29-4D95-8D49-45E4B2149E13.jpeg

A terceira laguna chamava laguna Cañapa. Aqui estamos a 4300m de altitude. Paramos primeiro no banheiro. Nunca perca a oportunidade de ir ao banheiro no deserto. Não pode ter nojinho porque a estrutura é bem simples. Não encoste em nada e um álcool em gel sempre a mão. Ainda temos que pagar 5 bolivianos. Depois descemos até o lago pra tirar fotos. Uma das fotos mais maneiras da viagem foi aqui!

00EC6429-013B-454D-8297-ED883FD58ADE.jpegEC8E150C-98B5-452A-80BE-62135BA9E825.jpegA7EC2C14-4EE3-49CD-8EFC-B9557A2B6B86.jpegF6A747D1-1D24-4C3D-8DC0-E69DF9CC74C1.jpeg7ECB10EB-0231-4066-815A-73D6DF72FD17.jpegE72C332E-E67B-4873-86B4-A55D79F1D816.jpeg85A092CA-7228-4E4C-BA13-D43E0E49C96C.jpegE8E4E2E4-2CB4-47E3-A11E-F6FCFA943E8B.jpegF8A3C0D5-2DB0-4280-9216-5A85493A0BA0.jpegC7633AA5-4CDB-4F14-BC93-2AA9B075F686.jpeg862E3D52-B521-469A-B4D2-86719E75FF04.jpeg

Fizemos uma parada pra ver um dos vulcões ativos da região. A última explosão foi a milhões de anos atrás. A altitude aqui são 4000m. As pedras vermelhas ali foram resultado de lava vulcânica. Dali a gente via a fumacinha saindo do vulcão.

1CB050F4-8D96-4D0D-8161-C0A241809385.jpeg1DA34FFD-593A-472B-A3D4-F4281629ABE1.jpeg331D7A59-5A97-46FC-8281-E5DFF954A2DB.jpegFE2CA5A0-71DD-4C3E-8A82-63BFD5355614.jpegDB148241-702B-4D0D-8412-98131415EB4D.jpegF29D7F94-7E93-4DF8-84F5-80F5EC8709A5.jpegEFCDEC44-9F68-4F2C-94F8-B62EC0E47F4D.jpegE85CC22E-B96A-499E-BE82-03856A65A81A.jpeg

Hoje de manhã eu acordei com uma pressãozinha na cabeça. Não sei se foi porque levantei de madrugada pra beber água muito rápido. Mas agora começou uma pequena dor de cabeça e um pouco de enjoo. Sem dar chance pro azar tomei logo o sorocji que não tinha tomado de manhã. Tínhamos umas dias horas até a parada pro almoço. Cochilei uns 40 minutos e acordei revigorada.

No caminho passamos por algumas comunidades no deserto. São pequenas vilas no meio do nada. Foi numa dessas que paramos pra almoçar ontem e hoje paramos em outra dessa, a vila Candelária. Antes de chegar na vila tivemos a primeira visita do Salar. Mas paramos numa pequena hospedagem pra almoçar antes. Ali as paredes eram de sal, os bancos eram de sal, as mesas eram de sal, no chão tinha sal... muito legal. A comida é simples mas gostosa.

B2AF68AC-22AE-4162-81AA-BEC4BF776B76.jpegC38A1BBD-8941-4DCE-AF18-25437327EDE9.jpegEC29F636-34F5-473D-96C8-89BADC8A57D1.jpegFB871A73-B99A-4A25-BA4E-F9C5F793AA63.jpeg1F9157E9-A1FF-4AF1-A905-FD0D5882A716.jpeg37119CFE-CB66-4826-BDA3-2890383521FD.jpeg359B34A3-13B5-4A14-BD88-057E5AAA5423.jpeg379184AD-5575-4B4A-9B30-BBB8FC5D25F3.jpeg3CBCD7A6-7285-48C9-86FA-E43614A1338C.jpeg

Na hora do almoço a Karen nos disse que teve eleição na Bolívia. Durante a apuração dos votos que era transmitida ao vivo dois candidatos (Evo Morales e o da oposição) estavam empatados. Porém quando mais de 80% dos votos tinham sido apurados a transmissão foi cortada. Quando retornou já tinha 95% apurado e Evo Morales estava liderando com folga. Algumas manifestações começaram a acontecer na cidade e se espalhava pela Bolívia. Parece que onde a gente vai começa uma revolução. Ô louco!

F7023027-9261-40DE-BF69-17B02034A6FF.png

Chegamos ao ponto alto da viagem, o Salar de Uyuni. Não paga entrada. Pelo que eu entendi tem um tipo de pedágio. Mas não somos nós que pagamos (ou melhor, já deve estar no valor do passeio). Uyuni já foi um lago de água salgada de 150m de profundidade. Mede 150km de leste a oeste e 50km de norte a sul. Hoje o salar tem 110m de profundidade. Tipo, eu sabia que Uyuni era o maior salar do mundo, mas eu não imaginava que fosse tanto. A Karen nos disse que não pode andar em qualquer lugar do Salar porque o carro pode afundar. Também não sabia disso. A parte central é onde é mais compacto. Outra coisa que a Karen disse foi que as montanhas que cercam o Salar são as referências para os motoristas. Quando o tempo está ruim e não é possível ter visibilidade das montanhas não deve-se entrar no Salar pois a pessoa se perde. Ou seja, é bom procurar saber mais ou menos uma época boa. Entramos por uma parte mais escura mas depois nos dirigimos a parte central. O que dizer dessa primeira vista? Uauuu!!!!

4D4CE7A8-E4A6-4DFA-92F5-122B8A71CF9A.jpeg896B6CA5-2A6D-4C9D-B5C9-031D26B82FCA.jpeg479D6A92-1D67-49B2-97BA-A4FF9C58E7A6.jpegC026905D-6AE5-4846-A3BD-E7521B61D131.jpeg00984082-1F24-439E-959C-F7330106FC8C.jpeg

Existem 26 ilhas no meio do salar. Essas “ilhas” foram montanhas cobertas pelo sal ficando hoje só o topo. Uma dessas ilhas fica bem central. Chama ilha Incauhasi. Da entrada até a ilha são 45km dentro do salar. Ali a gente pode subir pra ter uma visão de 360 graus do salar. Tem que pagar entrada de 30 bolivianos. Mas antes de subir não tem como não falar dos cactos: enormes! Esses cactos crescem um centímetro por ano. O maior atualmente tem 8 metros, ou seja, 800 anos. A ilha já teve um cacto de 12 metros. Já imaginou?

8BCD50D5-5812-47DE-ACCA-477105F34FE9.jpeg9959389B-A8C5-4BE6-B9F6-7CCDFCE9A1E0.jpeg03511952-9A5D-401B-B275-4120168636CD.jpeg3E788C5A-696E-466D-9A07-D6CA758F2018.jpeg16A21D14-8015-4958-8667-C147D5FDD0A2.jpeg19028B40-57BF-435F-9551-1BACB030CD30.jpegD1865635-B6BD-49D4-A931-087D38C6A29C.jpeg3E1EABEE-2534-4B17-A6B8-60887C0E6C26.jpegC72BE5AF-08CE-41E1-AD14-804C7C6AD0C8.jpegBCA60734-CEE3-44FD-B750-C269FF1CFB66.jpeg12150B00-9F9A-452F-9D60-F74DE9A3F6E4.jpeg

Bom, o sol estava quente, o frio da manhã já tinha ido embora. Estava uma temperatura fresca, digamos assim. Em situação normal seria um pouco frio mas ali se tornou até um pouco quente. Começamos a subir a ilha. Assim, não era uma subida por escada, eram pedras. Eu e meu medo de altura e queda.... aiai. Paramos para umas fotos e continuamos devagar e fazendo paradas na sombra para recuperação. Mais fotos.... deixava o povo que vinha atrás me passar porque eu odeio pressão, hehe. Ainda não podia olhar pra trás senão a altura me travava. Pra ajudar estávamos a 3660m de altitude. O gente, é muito desafio pra um ser tão limitado como eu! Chegou uma hora que eu tinha decidido voltar. Não por cansaço mas por medo. Não era difícil mas eu sou limitada mesmo... hehe. Rosana que estava bem cansada por conta da altitude ia voltar pra não passar mal como ontem mas decidiu continuar. Ela me estimulou a continuar porque o caminho era largo (não parecia de onde eu estava). Chegou num ponto pra mim que a dificuldade não era a subida, o esforço, a falta de ar da altitude, era o medo! Faltava acho que uns 15% e Rosana desistiu. Eu fiquei na dúvida. Tava com medo da descida. Gabi foi. Mamãe queria ir. Bom, já cheguei até aqui então fui. Preferi não pensar em como ia ser a descida. Cheguei! Uau!!!!!

DAAE77C0-F639-4A57-8F36-3B08FDBC68DB.jpeg1A5425D1-1AA1-426F-93B8-9F85917C0CB1.jpeg7FB59D77-0416-4113-8EFC-197CCD245321.jpeg472AADBA-5E01-4E8D-AC1F-982DB68BBF62.jpeg62697AC3-CF16-4B26-A66C-11E5D442AC64.jpeg8E6397F0-80F9-4019-9304-6C8201EA99F5.jpeg

Gente, eu já falei isso mas vou repetir. Eu não tinha ideia da imensidão do salar. É deslumbrante aquele deserto branquinho a perder de vista. Você para e fica olhando pra cada canto, cada pedacinho. Lá de cima você vê os carros pequenininhos indo e vindo. Estávamos lá tirando foto e Rosana me aparece. A nega subiu!!!!! Pronto, grupo completo, missão cumprida!

6898C357-FDB3-4DAE-8D71-6B307176C9E2.jpeg096E930A-2AE0-4104-BDF7-8913CA385EAB.jpegF64E7A5A-CA61-45C6-840D-A668028DE698.jpegD7426885-75C7-47D4-B4F4-639C9B199807.jpegC5944187-8176-4FFE-B9C8-89B4A919BE32.jpeg88020805-D56C-43BB-93C3-EA8FCC87AB1B.jpegC6D6F25E-79D2-4124-993E-C66BCACC0FCA.jpegC35E0A3E-3217-489A-92EA-6BAE20C09600.jpeg4FC7EAAA-1D99-4B97-B057-D6ABE6DF7516.jpeg7205D46E-4850-44B3-A7E5-11FF48194879.jpeg

Aí veio o meu maior medo, a descida. Usei o que eu tinha de melhor em mim que era força nas pernas. Era como fazer passada sem barra nas costas e sempre olhando pra baixo onde eu ia pisar. Confesso que desci com medo mas foi só um pedaço. Depois ficou fácil. Se fosse pra descer pelo lado que a gente subiu seria tenso. Era muito mais difícil. Mas por ali foi de boas. Cheguei lá embaixo e a Karen disse que eu superei meu medo: alto lá índia andina! Eu enfrentei o medo agora superar ainda falta um bocado, hehe.

91F16663-C87F-42B0-8BA9-F5B065954CB0.jpegF16F8394-7D67-40CF-BD3B-552335E8887D.jpeg97B061BF-A033-40FC-999E-67B1359AEA4F.jpeg7FB59D77-0416-4113-8EFC-197CCD245321.jpegD3ABDCAB-BB02-4030-A052-BD0346D35EFA.jpeg

Pausa pra ir pro banheiro porque nunca se perde uma oportunidade de ir ao banheiro quando se está no deserto. Ainda mais quando já está incluso na entrada. Lembrando que estamos em altitude e a subida foi um esforço enorme. Algumas pessoas não sobem por não ter condições físicas. Outras por preguiça mesmo. Nós subimos! Nós somos demais!

Partimos pelo Salar afora. Sem ideia de qual direção estávamos indo. Só fomos! Passamos por uns carros parados e o pessoal tirando foto. Andamos bastante pelo salar ao ponto de não ver mais carro nenhum. Aí paramos pra uma sessão de fotos. A Karen usou toda criatividade e fizemos fotos bem divertidas! Aproveitamos para literalmente experimentar o sal direto do salar. Experiência, digamos, diferente. Tiramos mais fotos já que a sensação é que o salar era só nosso. As formas hexagonais chamavam a atenção para obra de arte esculpida pela mãe natureza. Coisa mais linda!

E4CABE6A-0815-4770-9611-999530199140.jpegAB295CA7-32B8-4A95-A744-F5C28D45F049.jpegE9CE7CEB-2FF3-4CBD-9BEC-B166CB9596B8.jpegBBDE0B0B-D001-4A43-A2D8-773465FD47A2.jpeg1AA5E741-48AC-48D9-BD91-E3AD3B0D36B3.jpeg3576D68D-292B-4227-8FC5-5817269FBBE7.jpeg138E85A4-A5AA-4FB3-B557-B95A15C5FF4C.jpeg74AEE9CE-833F-4191-9A67-8579211E5692.jpeg2CDEC354-DE85-42CE-812B-41C8E61361F4.jpeg182616D1-5AF8-4A30-A004-35EFD78D7D35.jpeg183239B4-9680-4B16-8811-DFCDDC7AC5BF.jpegD305C582-32C3-4DEC-ABB0-D774A5140CAD.jpeg8C8696FE-7F62-49EA-A9B6-54B5B89C51B0.jpeg42FAC7C1-08E8-4728-BB2E-8CD564369AE6.jpegAF7832B8-2B29-4081-8320-15F987620D52.jpeg3B9B80DF-634A-471D-8C7D-0A70F56C3667.jpeg87841E26-D7A5-4956-8F19-4A6CF13193A2.jpegCC50D976-60D1-4D28-844B-1134B517A78E.jpeg

Terminadas as fotos clássicas no salar fomos em direção ao hotel Playa Blanca. Era um hostel desativado dentro do salar. Esse foi o primeiro hotel de sal do mundo. Teve um problema grave de saneamento o que causou um problema ambiental. A má gestão levou ao seu fechamento. Na frente tem uma “praça das bandeiras” onde turistas do mundo inteiro levam a bandeira de seus respectivos países ou mesmo de times de futebol.

D3731E16-2849-4749-AFB6-0533FD7F75FA.jpegB12FA1E2-02FA-46FA-B03A-84E0ECD54576.jpegC7E306F3-E60A-4420-ABBA-C01AD42C2BF2.jpegACD55CE0-EF52-4582-8E24-EE43A68E9F8E.jpeg7F2F8085-B557-404F-BDD1-D52E341C8011.jpeg2CF96C21-2A8F-4965-AA2E-66C31B34F0BA.jpegA1272C43-1D2B-438A-BF98-16E60BB29E34.jpeg

Partiu por do sol! Se tem algo que eu curto nessas viagens é desfrutar de ao menos um por do sol. Já foram tantos por aí. Partimos em busca do local ideal no salar. Em época de chuva quando o salar fica com uma pequena camada de água é possível fazer aquela famosa foto do reflexo. Mas hoje tinha pouca água. Mas tudo bem, deu pra tirar umas fotos bacanas e brindar o por do sol, brindar a amizade, brindar a vida!

1835EB55-AB9F-4F29-9DD9-F2EF077226B4.jpeg76B4863E-6008-4562-BC21-B38C2AFF7089.jpegC88DDB37-846E-44CD-B10B-32689CE2F631.jpeg7FBC7310-0E82-4374-8051-F10F84262E17.jpegD315D380-D542-4B08-B96E-2540BD69DCB3.jpeg18F1BD0A-DA56-4BC7-9DBF-47927A52AAAB.jpeg1FD81658-A407-4937-BA38-8E8F331E7BB3.jpeg1757C929-87BA-4B8A-ACD7-4BC34FB2D8A7.jpeg58A12314-0879-458C-ABC5-0F58BDD433BC.jpeg6F4B3E1A-AF20-43DB-80F8-A8844B96787B.jpegBC72B149-2DEB-4B6C-B5E3-E68EE297860D.jpeg

Eu nem gosto de por do sol, rs.

8ADC161A-CA2D-45A7-A87D-811D8E05A8A5.jpeg3C06849A-3168-453C-838D-49A14071F6D6.jpeg68F8E692-2143-45F4-AA77-630C5AED1843.jpegF9CF08A7-723E-430E-95BF-94F2ABA7A8F0.jpeg46CD5068-DB77-43C5-9154-67DD7AFF4877.jpeg0A6E2FA0-CE20-4240-B189-DD2A9577153E.jpeg87245268-A653-4467-B4F4-AF244925D94A.jpeg479AC8D4-5678-4EEA-9B0A-F5793061BCD2.jpegA2691D0E-46AE-4A8A-9F4E-84DE3E331AEC.jpeg600E1E4C-ADE5-4568-9A12-DF2C6C32C6F1.jpeg84090C2F-EBCC-4EFC-B6A2-7CF8C9444D9B.jpeg579DF563-AC78-4F9E-8FDA-1A90D284F0C0.jpeg

Depois de encarar o frio e o vento pra ver um por do sol espetaular as cores mudavam ao fundo. O branco do salar parece ter ficado mais branco. Parecia neve!

ECCE7049-7589-464E-9760-AC23D3FA1040.jpeg5B8B69EA-8726-4684-93BF-5AFC2B6786F0.jpeg3CA5D27A-E103-469F-ACEA-DEFFB1AF6A36.jpeg10DE38A5-0CD0-4162-B545-54610F5C96BD.jpeg8253B820-45A4-4006-AD46-ED5887998AB3.jpeg

Depois de um dia bem aproveitado fomos pro hotel. O hotel fica praticamente dentro do Salar. É um dos melhores hotéis da região (se não for o melhor). Mais um que não é só uma estadia, é uma experiência. É um hotel todo feito de sal. É sal do chão ao teto. Mesas, poltronas, decoração.... Dessa vez não tinham restrições quanto à energia. Banho quente em qualquer horário, sinal de wifi bom, sem horário pra desligar as tomadas... Super legal! Primeira coisa ao chegar no quarto foi correr pra janela e ver o fim do por do sol.

5D6DB45E-CE57-4821-8DB9-17EB9CD9B6BB.jpegC69FCF02-21AF-4752-A0A4-5C8F83B819D3.jpeg8E33725D-6190-41CC-A3D9-B32E2072400C.jpeg3D1074D0-0E45-49E4-BEC5-1C6E7CDEAA91.jpegBCD984E5-77B8-4E3A-9602-D046B4FC3108.jpegE381443F-DC66-4A2A-9132-5CECB5F6E1C5.jpeg

Estava bem frio lá fora mas a gente não ia sair mesmo. Tomei um bom banho quente e aproveitei pra lavar o cabelo. Depois fomos jantar. Todas as refeições estavam inclusas no passeio. Era uma comida diferente mas estava ok. Depois ficamos de bobeira num dos ambientes comuns do hotel mas por pouco tempo. Depois era hora de curtir o aquecedor do quarto!

1BFC3694-B023-427A-9F86-ED70469CAAA9.jpeg

Publicado por Akemi Nomura 03:52 Arquivado em Chile Comentários (0)

Atacama

Dia 4

sunny 10 °C
Visualizar 2019 Atacama e Uyuni no mapa de viagens de Akemi Nomura.

4h24

Bom, vou começar antes falando do Licancabur. A gente consegue ver ele de quase todos os cantos que visitamos. De SPA a gente vê de todo lugar. O Chile tem 2600 vulcões dos quais 160 ainda ativos. O Licancabur chama a atenção na cidade. Ele fica na divisa entre Bolivia e Chile. Ontem perguntaram pro Daniel se podia subir este vulcão (tem passeio com subida em vulcão) e ele disse que sim, só que pelo lado boliviano. O lado chileno ainda tem minas terrestres de um período tenso. Ainda hoje encontram minas lá. Louco, né?

Eu gostei tanto desse vulcão que parti em busca de mais informações. Achei uma lenda sobre ele. Quem chega em SPA identifica esse vulcão facilmente. Do lado dele tem um menor e descabeçado chamado Juriques. No espaço entre eles teria existido um vulcão chamado Quimal e seria uma dama. Juriques era apaixonado por Quimal. Mas foi Licancabur que Quimal escolheu. Juriques ainda tinha que suportar Licancabur ser o favorito do povo e de seu pai Lascar. Assim, tentou “pegar” Quimal a força. Os irmãos vulcões começam uma briga épica bagunçando todo o equilíbrio da região. Alguns desfiladeiros seriam fruto dessa briga. Aí Lascar, o vulcão pai, afastou Quimal dali e cortou a cabeça de Juriques. Outra versão diz que Licancabur teria cortado a cabeça de Juriques e Lascar, o pai, ficou bravo e afastou Quimal dali. A segunda faz mais sentido. Não, nenhuma faz sentido, haha. Vulcão brigando... tiraram de onde isso gente?

CA5A857C-56A5-4474-A0A9-51D72433D762.jpeg
4A4A7415-D3E7-4C27-BA03-5D64A24FE1E0.jpeg

4h24 da manhã. Acho que sonhei que o alarme estava despertando porque eu tinha certeza que acordei com alarme só que quando olhei o celular eram 4h24 da manhã. Terminei meu post de ontem e pronto! Deu umas 5h30 eu levantei e troquei de roupa. Café da manhã garantido e estávamos prontas no horário pois fomos as primeiras todos os dias. Hoje fugiu a regra e fomos a terceira parada. Ainda parou pra pegar mais uma menina e pronto, partiu lagunas altiplanicas.

No caminho fizemos duas pausas. A primeira foi quando avistamos um falcão peregrino. Esse falcão é uma ave de rapina diurna. É considerado o animal mais veloz do mundo podendo atingir 350 km/h. A segunda foi o vizcacha. Eu descreveria como um coelho verde mas parece que ele é da família das chinchilas. E estava lá de boas tomando um solzinho da manhã.

9440E6A7-2C11-4B7A-950A-FBE55499B8F5.jpeg6D45A353-581C-44AB-B851-B18C4B3E7FBD.jpeg19B837C0-C385-4CFF-9EE2-EB7EBF96DCBC.jpeg

Quando a gente nos aproximamos da região de Socaire a gente percebe que a paisagem muda. Ali apareciam montanhas ainda com neve. O cenário ali era de cair o queixo. A lagoa, o sol nascendo, as montanhas, tudo lindo. O banheiro era estilo “inca”, ou seja, era no matinho mesmo, haha. Tenso!

E4E66B30-62EC-472A-8757-F19350C74053.jpeglarge_354E8EE5-253C-4F3F-BC9A-5D49A249188A.jpeg495980DD-BC8A-4248-ADFF-C3CF87EBE24A.jpegEBB09057-8937-4B50-84C6-8B284FB378C2.jpegFEA22B08-7EF0-4123-AFCB-1FE49F7A18D6.jpeg42EC2B27-79B0-4F66-8952-8600D0E81EB9.jpeg

Frio? Temos!

E3AAD4DF-9937-477D-B0F1-CC9AFAF98BFE.jpeg352A6CDE-14F1-49C2-AA6E-054F43984E77.jpegFB364953-D8FB-47E2-A86A-BBFFB265535B.jpeg9372C47F-31A9-468C-9C5D-3C8C70B9B4AF.jpeg

A primeira parada foi na Laguna Tuyajto. Eram uns 150km de distância mas a estrada é boa. Tirando poucos pedaços de terra era tudo asfaltado. Mas mesmo a parte de terra era bem plana. A primeira dificuldade foi sair da van. Muito frio, ou melhor, muito vento. Essa laguna fica a uns 4100m de altitude. A temperatura era em torno de 12 graus. Mas o vento jogava a sensação térmica lá no chão e além de ficar desconfortável. Mas aguentamos porque a paisagem era magnífica. E aqui mesmo fizemos nosso café da manhã do passeio.

3567AD05-9E9D-4DFC-8BA6-CA0329031C30.jpeg5F174255-CBE7-4A77-AA5F-DF398BA5F141.jpeg99403509-F2C1-40B4-AC68-31AAA5DBB6E8.jpegB1D5EA08-BC9D-4066-9EE8-D572BFD99684.jpeg098BE458-F68F-4586-8311-8E7C7682B518.jpeg32399CEA-4925-45EB-9B87-932C8EF5E5F7.jpeg832EED2E-2853-4F57-AC4B-77EE08B8E04B.jpeg0C75B9AA-018E-490E-9431-F3EAF4208753.jpeg005CC962-07EF-484A-94EC-62D04C911900.jpeg

Umas fotinhas do caminho:

58E94055-B843-40A0-9CA7-56E30EB0AE5F.jpegF5514533-881D-4A52-8381-3AC98241E159.jpeg1466980F-7220-42AB-AD5D-705D7DD71CEE.jpeg

Seguindo fomos até o Mirante do Salar de Tara, também conhecido como Piedras Rojas. Lá de cima dava pra ver alguns Flamingos se alimentando. Sabe o vento da Laguba Tuyajto? Ali ficou pior. Era uma subida leve porém longa. Já tentaram subir a uma altitude de mais de 4000m? Tenso! Chegando lá em cima o vento estava absurdamente absurdo. O vento me empurrava cara. Eu tive dificuldade de tirar foto do flamingo porque não consegui estabilizar a câmera com zoom total. Também curti essa parada (tirando o vento).

C3879BDF-E0D0-42E2-AADF-BB7EF9BE3F48.jpeg7AB80E32-310C-449A-9887-4A8C2FBCB917.jpegEEBAFF5C-7CF1-44E2-B993-F32CDF918195.jpeg081CC6D2-74BF-492C-92C2-C26E11987F35.jpeg80B71132-F711-4B59-B56D-239908F6D503.jpegA5984B98-289F-4274-AF92-B4A0AD1B5860.jpeg07CC1C37-0FD8-47A9-903B-DBF4B30E039A.jpeg

Depois fomos para o ponto alto (literalmente) do passeio. Estávamos a 4300m de altitude, o mesmo que os gêiseres. O vento ali não incomodava muito. A entrada custa 3000 para adulto e 2500 para idoso. A regra é nunca sair da trilha. Os índios ali não são muito amigáveis. Tive um pequeno entrevero no fila do banheiro. Uma italiana cismou que estava atrás da mamãe na fila só que não estava porque eu tinha chegado junto. E ficou do meu lado meio que forçando a barra. A solução? Entramos eu, Rosana e mamãe juntas. Hahahaha... Nem precisei bater boca com ela pra deixar ela com raiva. Quando saímos eles (a cretina e mais uma mulher e um homem) ficaram reclamando em italiano. Aí eu fofa soltei um “vada a merda, cazzo”. Desculpa pessoal mas eu estava sem paciência pra gente folgada. Enfim, novo parágrafo pra contar do lugar.

Milhões de anos atrás as águas do alto da cordilheira escorriam livremente na frente dos vulcões Miscanti e Miñiques, seguindo para o Salar de Atacama. Só que menos de um milhão de anos (outro dia) o vulcão Miñiques interrompeu o avanço das águas que começaram a estancar ali devido à mudança geomorfológica da região. Surgiam assim as lagunas que levam os nomes dos vulcões. O caminho que fizemos era só descida. Foi bem tranquilo mesmo com a altitude. Acho que foi o cenário mais bonito que vimos até agora. O vulcão com um pouco de neve ainda, o lago de cores claras, as cordilheiras ao redor, acho que foto nenhuma vai conseguir mostrar o que a gente viu aqui.

5D9D967F-38E4-45AC-B682-77DA1EF76F6C.jpeg005CC962-07EF-484A-94EC-62D04C911900.jpegC0A8A20B-82C9-4E13-899C-7113985C65E0.jpeg047687EF-45F7-4A4A-9C81-75CD0FD8CF62.jpeg79E70982-02A4-45F1-83F0-08109A48F284.jpeg0E5D9465-8A27-4B05-847B-3A763DE01C61.jpeg1B2394A6-09E8-4E5D-9F67-669E1A5FA49C.jpegCEB34FF4-DDF6-4F67-9A89-3848D3A7C0AD.jpeg28D792FD-1D14-459B-A6AA-FEECE43BBB8F.jpeg7EF16AC7-4405-4513-BB24-2B93C19826DC.jpeg

Tive uma certa dificuldade de escolher as fotos. Deve ter dado pra perceber:

9F4CFADB-4F37-4356-8D37-A3961ADBA68F.jpeg75F745B7-5626-4EE5-A9E1-3F3B88F30CA2.jpeg21830521-6602-4A57-BB3A-77C0A7116295.jpeg0AB7B4B5-97EB-464A-83A2-E3BE3C3B462C.jpegF40E4607-12A4-416F-A47A-EB1E153B493D.jpeg3B641519-48A6-43F7-83D0-0B30928535D2.jpegEFDEFE1E-F89D-46D5-B240-3AF748859AFB.jpeg2D0A7173-7F10-424A-9DDD-CCD843B724D2.jpeg19BA5EDC-C026-4459-A82A-FF8704927883.jpeg2C4BAF3A-35A0-4A72-9313-43C27D6A475F.jpeg

Deixa eu separar mais um bloquinho de fotos.

B5949951-25BC-475C-8354-627F8D804A53.jpeg4B2F7454-50F4-4728-A1C3-CAA7072F11FC.jpeg25B654D2-8606-4C2A-9A07-86EA3561E671.jpegCB01121F-6019-4843-AE95-EB82DF01922D.jpegCDBA739A-C726-48F9-BCAD-CCE08557F99A.jpeg2CA5379C-0888-4541-B60F-0580323E3A45.jpeg

Depois da caminhada fomos pra van e fomos até a lagoa ao lado. Era a pequena Miñiques. Também produziu fotos lindas.

1C534E0F-09C5-405E-8026-82A8472E051B.jpeglarge_47D21C71-4E24-4C7E-B939-CB242071AA80.jpeg7F0367B5-36E8-422F-A73E-4BDB81ED9998.jpegD6025AE7-F256-4BE4-AF5C-12E946E1BE93.jpeg0E6383EB-1FF8-4AFF-A858-3E32C30BB4A7.jpeg4A1969EA-CEF0-4AD0-A603-BC256FF56917.jpeg4EA0698F-B5E7-4124-9F31-CC710FDD5A5C.jpeg

Fizemos uma parada na estrada infinita. Era um cenário muito singular. Parecia estrada de filme e no fundo uma montanha que completava o cenário. São fotos clássicas pra quem vem ao Atacama. E essa época está muito bonito pois está um intermediário entre verão e inverno. Ainda estava frio mas já dava pra descer sem luva e cachecol.

B803AA38-3C71-464A-96AC-F31D4011C98A.jpeg8D9FE48A-8ECC-4763-9EC7-E59CCB4ADA2C.jpeg68566749-458B-45A3-80A9-DEC912579D7D.jpeg5403D971-8673-42BA-9896-DDD60841D178.jpeg3107B8A1-68E9-41C9-8EFF-DC627BAEA9BB.jpegA3DFA852-841B-4218-AD3B-D2740DAAD5E5.jpeg7AEBCE90-2391-4C60-9716-C5549F6B42FD.jpeg259BE78E-02CF-44D2-9482-4B14071D116A.jpegD6F64A45-94BE-41C6-B610-89F6CEECB605.jpeg

Por fim fomos até a linha do Trópico de Capricórnio. Paramos pra tirar foto na placa e por ali mesmo almoçando. Eu nunca que ia imaginar que um dia iria almoçar no meio do deserto do Atacama. Realmente uma experiência única!

3A41FD4F-509C-454C-9331-B049D169BBE5.jpeg178866EA-751B-46BC-B939-21485BF82995.jpeg73B5E8B4-4B93-4127-AB36-3D16E7A8F61F.jpeg61540D24-D23B-419F-A558-25D4E164F11E.jpegD9A5D79B-48A1-4CC1-9CF0-15B5A3ADA425.jpeg4D16AB85-3143-4F88-B196-6E389ED124C8.jpeg10187281-BCB5-402D-8F76-6FC1A4C9E812.jpegEDDFD446-31C3-4ECE-B2AC-CC01B730117C.jpeg

Fim de festa. A parte do Atacama acaba aqui. A parte contratada com a Araya Atacama não acaba ainda. Os passeios são caros mas até agora a Araya ofereceu um excelente serviço com um bom preço. Como ainda não acabou a parte dela deixa que eu avalio depois.

Voltamos pra casa e ficamos de bobeira batendo papo. A orelha de alguém deve ter ardido porque foi assunto por um bom tempo, hehehe. Daí foi lavar o cabelo, organizar as coisas, acompanhar na TV como andam as coisas em Santiago. Engraçado que quando eu e Gabi fomos trocar mais dinheiro nós vimos um grupo de estudantes gritando algo que não entendemos. Desconfiamos que era algo sobre passagem de ônibus. Gabi ainda falou pra eles não fazerem isso porque isso aconteceu no Brasil em 2013 e pode não ser bom. Não é que aconteceu isso? Começou com preço da passagem do metrô e a coisa desandou. Fecharam até o aeroporto internacional. O aeroporto de Calama já está sofrendo as consequências e cancelando passagens. Então espero que até quinta isso se resolva.

Brinquei um pouquinho com o drone hoje a tarde. Rosana estava assistindo novela, mamãe no celular e Gabi no banho, fui dar uma volta na quadra. Um doguinho me abordou e começou a pular em mim como se quisesse que eu pegasse no colo. Era tipo um poodle branquinho. Gente, era tão lindinho. Queria eu levar pra casa. Fui andando e ele ficou por lá. Ainda fomos no mercadinho comprar água pra viagem e um docinho porque a gente merece. A janta? Empanada do mercadinho (que é gostoso viu?). Deixa eu terminar de arrumar minhas coisas. Até amanhã!

Algumas imagens de SPA por outro ângulo.

A4A1AE34-2A13-4980-904D-85B5D04C6329.jpegB5CE3AA0-1962-4C8D-9166-43282593EA22.jpegF976D995-9A28-475F-8A42-C68E3AF36935.jpeg

Publicado por Akemi Nomura 01:16 Arquivado em Chile Comentários (0)

San Pedro de Atacama

Dia 3

semi-overcast 1 °C
Visualizar 2019 Atacama e Uyuni no mapa de viagens de Akemi Nomura.

Vida de turista não é fácil. Hoje iam nos buscar às 5h30. Acho que fiquei preocupada com o horário e acordei pouco depois da 1h da manhã. Acho que fiquei acordada umas 2h e voltei a dormir. Deu 4h20 o alarme tocou. Vida de turista não é fácil. Nos arrumamos e às 5h26 a van chegou. O guia era o Daniel de novo. A van foi em outros três lugares e nesse caminho vi várias vans circulando pela cidade. Provavelmente com o mesmo destino. Depois que estavam os dez na van paramos pra pegar o pão e partimos para Geiser del Tatio.

29E1F5C2-702B-4864-9DB5-7AA8BDD02030.jpegB781333F-A8FC-4F07-8284-5115018FAB4F.jpeg

Aqui em SPA estamos a 2400m de altura. O mesmo que Machu Picchu. Os gêiseres estão a 4300m de altitude. O máximo que eu tinha ido eram 3800m no Peru. Aí entra em cena o soroche que também é conhecido como o mal da montanha. Aí veio a prevenção que aprendemos no Peru. Tomei o Sorochje que compramos no Peru e chá de coca. E ainda levamos bala de coca. Se vai dar certo eu não sei mas torço que sim. Ah, como a Gabi não podia tomar o chá de coca a moça do hotel sugeriu o chachacama. O chá era bem fedido mas acho que vai ajudar ela.

São cerca de 80km e levamos mais ou menos 1h40 pra chegar lá. Todos sonolentos oscilando entre cochilos e momentos acordados. E fomos subindo as montanhas. Não sei se era a subida mas me deu muita sede. Só que eu ia tomando aos poucos, só molhava a boca. Mas isso foi várias vezes. Gabi também fez a mesma coisa. Não sei se foi a altitude ou as curvas da estrada mas cheguei um pouquinho enjoada. Acho que pode ter sido a estrada porque o Miguel passou a maior galera pra sermos os primeiros a chegar nos gêiseres. E deu certo.

Na entrada descemos pra ir ao banheiro. Estava com o casaco grande e cachecol na mão. Desci e vesti rapidinho porque estava bem frio. Fui no banheiro e na hora de lavar a mão naquela água gelada? Senhor! Ali o Daniel foi pagar as entradas. Eram 5mil por pessoa e idoso só tem desconto se for chileno. Voltamos pra van onde o Miguel deixou a gente bem na entrada dos gêiseres.

Eu estava bem preocupada com a temperatura hoje. Estavam falando em torno de -10 graus. Já falei que odeio frio? Eu estava usando meia calça fio 120, mais duas calças, uma camisa de manga longa térmica, uma blusa de lã com gola cacharrel, um casaco pesado, gorro, cachecol grosso e luva. Pra nossa surpresa estava quentinho hoje: 1 grau. O difícil era tirar foto porque de luva não dava sensibilidade no touch. Aí você tira a luva rapidinho e coloca de novo pra não congelar. O legal do Daniel é que ele estava preocupado na gente estar entre os primeiros para o local estar vazio e podermos tirar fotos legais. Tinha só um grupo antes e conseguimos tirar umas fotos legais.

3C65796D-EB93-4628-A643-B9809482970F.jpegA28DF4D0-C395-4D46-874D-413F8374FF87.jpeg73D403F8-8087-486C-9116-4D017F44E4B2.jpeg2139E8A7-8633-4638-9A01-90C9F7E61E51.jpeg9D9BC594-15AF-4B6F-B325-70D98E4E7182.jpegEBB97E9E-1C7B-4C84-8859-45AE5CD258CD.jpegDACA5544-6238-4C15-981B-636355A903C3.jpeg

O Geiser del Tatio é, com certeza, um dos tours mais procurados. Muitas vans estavam por lá. Os rios e lagos do Chile são formados por água que vem da Cordilheira e vão até o Pacífico. Só que na região do Atacama a água se infiltra nas rochas vulcânicas podendo chegar a 30km de profundidade. Lá embaixo passa o magma vulcânico que chega a 650 graus. Daí vem o encontro de água e magma, pressão e temperatura, que faz a água buscar uma saída formando os gêiseres.

5A15D324-FE36-4DDE-A927-50582AB8EEDC.jpeg084C8F76-9C4E-48CE-B82C-755111DEBEAF.jpeg75EA5582-A20D-4E86-9E8F-DCC39138F252.jpeg

Andamos pelo campo e tiramos bastante foto. O Daniel tirou umas pra gente também. Ele explicou que a gente tinha que madrugar porque, em que pese os gêiseres “funcionem” 24h, os jatos de água e vapor só acontecem quando há um contraste marcante entre a temperatura da água e a temperatura ambiente. Aí o sol começa a subir, a temperatura ambiente aumenta e o show acaba. É o maior campo geotérmico do hemisfério sul e um dos mais altos do mundo.

405181C3-CDA0-4347-9460-F76260BAB5B8.jpeg69EC7BC3-C87B-4575-ADF5-99B6DF7FB762.jpeg44B35710-E29F-41BE-B7C3-B39B0F5A8C20.jpeg

O Daniel nos deixou lá uns 15 minutos mais e ficamos tirando mais umas fotos antes de caminhar até a van beeeemmmm devagar.

5BE5D153-DC3F-4D1D-82A9-B0E43D4D920D.jpeg97C8E16C-87F7-4158-BDD8-212C02D1B5AD.jpeg394BBA72-F147-4D52-8EEC-AA468D0679C3.jpeg1B375C24-D66C-4ECB-B76C-A02EFDCFF266.jpegC70FF3E5-0F48-434B-A1AC-1629085C105B.jpegF0E66769-0095-4163-ACCD-D88009A881F5.jpeg107D7CA4-916A-46C6-B951-B7DF09739652.jpeg

Uma coisa eu tinha ficado curiosa. Tinha visto um vlog de um rapaz falando dos gêiseres. Ele mostrou umas pedras vermelhas em torno de cada gêiser que era o limite de segurança, ou seja, era proibido ultrapassar. Como o vídeo era em espanhol eu não tinha certeza o que ele falou mas eu entendi que alguém caiu ali. Aí fui perguntar pro Daniel se já tinha tido algum acidente grave ali. Ele disse que nove pessoas já morreram ali. NOVE PESSOAS. Tudo por causa de uma foto. No começo ele já tinha falado que o hospital mais próximo estava em Calama a duas horas dirigindo. E devido a altitude e o ar rarefeito os helicópteros não chegavam ali. Ou seja, se cair ali morre! Definitivamente pessoas que morrem por dessa forma deve ser o que Darwin chamava de seleção natural. Olha como são as pedrinhas que marcam a linha de segurança (esse é o gêiser que aquece a piscina termal):

46DAD5DB-F637-4ED9-9C00-AB562D9A3B35.jpeg

Fizemos uma pausa pro café da manhã. Mesmo que a gente já tenha tomado café, como era distante, achei melhor comer algo. Pouco devido a altitude, não queria dar chance ao soroche. Mas a Rosana foi abatida pelo soroche. Ela já estava com uma cara de que não estava bem. Foi até antes da gente pra van. O Daniel disse que era melhor era comer alguma coisa mas pouco. Senão podia piorar. Achamos que o soroche pegou porque na parada da entrada pra ir ao banheiro ela foi colocar uma meia a mais e teve que trocar as peças que estava usando. O que era pra ser simples na altitude se torna um esforço fisico muito grande. Mas ela desceu da van e foi comer com a gente. Ainda ficamos mais um tempinho ali antes de ir embora. Aí claro, rolaram fotos.

DB25D1D4-8F5B-4A50-8843-795480D353F6.jpeg7502E5D8-203E-476D-8078-346D0ADCAE10.jpeg04277922-6C38-4E85-957D-F3DE1F60CD37.jpegE7FA10F8-7FF6-4053-B7A3-5ADDA8A6245D.jpegB998B08D-4545-423C-A084-03F0BA4944C4.jpeg3FD240A3-3EDA-4950-BF10-3B071B4F7313.jpeg31880B90-F354-42B7-9E99-E988893B40AF.jpeg025DDDC1-A24D-45FE-9C39-006DDC5B6140.jpeg1E2DB1DB-06BB-42B2-AA2A-048591F8E6B4.jpegC535BC6F-51F6-4C6B-8CCF-6FADFA2F7504.jpegDA8CC07A-1DF6-4763-AAF7-F359055F16AB.jpeg

Não é recomendado ficar muito tempo lá porque a fumaça que sai é tóxica. Inclusive na piscina térmica, que ninguém teve coragem de entrar, recomenda-se ficar no máximo 15 minutos por conta do enxofre. Eu fui no banheiro antes de ir embora. No caminho vinha uma van e eu dei uma corridinha de uns 5m. O pulso foi pra lá de 120. Dei sorte que não peguei fila e na volta eu levei uns 2 minutos pra fazer um caminho que levaria uns 20s no máximo. Devagar e respirando profundo, sai de mim soroche! O Peru me ensinou muito sobre as cordilheiras.

Como estávamos adiantados e todos do grupo estavam lá nós resolvemos sair um pouco antes. O Daniel disse que todo mundo que estava lá ia para os mesmos lugares então fomos logo pra pegar o lugar vazio. Próxima parada foi o Mirante de Putama. Chegamos a tempo de pegar o mirante vazio. O lugar é magnífico.

A38B5D9D-40EB-478D-B00C-EC1F0F89AEEA.jpeg8A1133AA-3820-4BC9-9F38-F569D10DFFEA.jpeg2286FDC1-20A4-4176-AA79-A749AD819EF5.jpeg49D7C249-7AD6-4791-9454-FF93B69AB568.jpegD9DA9075-2210-4BEA-BE0A-61181BFD7424.jpeg9EE012FD-AF7A-47D1-9F42-FC394991CA15.jpeg1A8E11D5-CD85-47AD-94A4-5D19FD83FBB0.jpeg5A068BA4-3C65-43ED-9B6B-6246CFEC7990.jpegCE0D80FA-FA12-41EB-A920-715C4B559C30.jpeg

Um pouquinho antes ele explicou que o rio serve de atrativo para animais e aves da região. Mas devido aos turistas sem noção que invadiam o espaço dos animais, que acabaram sumindo dali, foi proibido parar sem que seja o mirante. O Miguel, motorista, passou devagarzinho pra gente poder ver as aves que aos poucos estão voltando. Numa voltinha o Miguel identificou um daqueles coelhos verdes, esqueci o nome. Podemos ver grupos de vicunãs, lhamas e aves locais vivendo tranquilamente por lá. Sem contar a linda vista da Cordilheira dos Andes e dos vulcões Putana, Curiquinca, Colorado, Escalante e Sairécabur que cercam a região. O Putana fica na divisa entre o Chile e a Bolívia e é um vulcão em atividade constante, tanto que é possível observar alguma fumaça saindo dele.

CACD1739-95C7-43C5-8E24-9A490D22EF00.jpeg8E50AACE-0386-43D9-B78C-6B448EC53B2B.jpegEC52BCC6-AC95-4AD2-81DF-D197AAC1955E.jpeg759FB257-A0E9-457A-BC7B-41DA006F9D44.jpeg5C3E0531-B71B-4D5D-AC24-F5106524AEA7.jpegF872111D-8E4A-43C2-B86B-E72A70DA3249.jpeg99434764-A917-46C8-84CE-9D86634CC0DF.jpegAC1D5402-989A-4F90-8817-545F4F21ABD2.jpegC5F585B7-BD9C-4459-8EE4-635BD31B7450.jpegF1093E5D-9C5A-430D-B88F-718FBDBF9797.jpeg

Missão cumprida a nossa próxima parada (e de todos os outros grupos, haha) paramos no povoado do Pueblo Machuca. São 20 casinhas super rústicas. A população é formada por indígenas andinos. O Daniel disse que ali tinha um churrasquinho de Lhama que deveríamos experimentar. Mas antes fomos andar no povoado. O Daniel nos alertou para sermos amáveis com os habitantes. Tinham duas senhoras na rua vendendo souvenirs.

7DD3664A-B994-4705-A9E5-E7B24B6D16E5.jpegDE7B4EA2-DF17-4A5A-9D46-8F21105AC7A6.jpegA1F98E13-3DA7-4629-9256-E0B216ABEE65.jpeg1A7D2E5B-CB40-4043-8253-FEE6D8345298.jpeg4C160187-8540-42D0-9299-C9E4ECF0EFDB.jpegB29DF032-FEBE-43C5-9B39-7BBC6516EB42.jpeg11B9E720-9245-4C59-95E1-783ECD0D01B5.jpeg7D7AEC97-BA70-4EDE-8B2C-D2E90D0C3D37.jpeg

No final da tinha uma igrejinha tão fofinha mas tinha que subir uma escadaria... já fomos bem devagar andando na rua que achei que seria impossível subir aquela escada. Mas a cara de frustrada da mamãe me deu coragem de subir com ela. E valeu a pena! A beleza está definitivamente na simplicidade. Que paz esse lugar!

CE1979AF-7940-4315-B854-53C0C07ACD6E.jpeg18B69FFB-3474-445B-AEC7-FFA5B9BA7A4B.jpeg94EED49F-D727-4A15-93E4-54F646B5EE31.jpegB8840466-0BDD-480E-AFC2-6A4EB3F09C30.jpeg06A00340-6334-4F83-95A1-284F26BE4DDD.jpeg9502EE64-39FF-4BF2-8799-17C704C565ED.jpegA1A916E5-9A7C-48FE-AB99-61C5EAB637F5.jpeg36343C54-809D-4B75-B5A8-B6304A969392.jpeg48CBA7F9-9CF7-4B13-A346-9C5B07FA6F7E.jpeg

Descendo de lá vi Rosana lá embaixo. Pra ela não era legal subir por conta do esforço. Mesmo subindo devagar dava pra cansar. Fomos até a van não sem antes dar uma paradinha pra experimentar o churrasquinho de lhama. Os doguinhos são uma atração a parte em todo lugar.

1C26E855-6D5C-49C1-A670-B364F6DE77D6.jpeg6C21BC17-E429-4B55-AD4E-0E0D6943FB70.jpegCF677596-3DAB-4E25-9A45-2A5334BC8D84.jpegCD8F08C1-465F-4897-9E5F-3DD0CD8601D1.jpeg

Saindo dali nós paramos num lago pra ver os flamingos! Que lindo! Tinham uns dois carros particulares dos quais saíram pessoas que mais uma vez invadiam o espaço dos animais. Os flamingo que estavam em um lado do lago acabaram atravessando para o outro. E isso deixou o Daniel e o Miguel bem indignados porque eles trabalham pra conscientizar as pessoas a respeitar esse espaço para que os animais não sumam dali. Mas os dois advertiram as pessoas que chegaram muito perto do lago de que era proibido. Os retardados logo fingiram demência dizendo que não sabiam. Detalhe, tinha placa advertindo. Haja paciência! Mas apesar desses sem noção pudemos apreciar os flamingos numa dança matrimonial. Que coisa mais linda! A natureza é perfeita!

B46B9DF1-E892-4943-9EFC-AA10381EE449.jpeg8AD80693-6A01-4F5B-AECA-2DEE3714833F.jpeg57000E6D-BCA6-421A-B02C-4B941CF22A29.jpeg881FCD3C-FBB2-4331-8FDB-2D3C002F69CE.jpegDF5889F7-9C2C-4597-B472-2216947A72B6.jpegB20C4882-7CD2-401C-B8C7-D94FD92117DF.jpeg495E731B-3E3D-4AE3-B085-C161B5C3AFC3.jpeg570AC171-11F8-48AD-867C-8E80F5C30953.jpeg666385BE-1B07-4D2E-87B4-5BD975799351.jpeg

Acabou o tour! Pé no caminho para SPA. Levou um tempinho ainda e por volta das 11h30 chegamos em casa. Já falo “em casa” pois é assim que me sinto aqui no Cabañas Kirckir. Mais pra frente eu falo mais deles.

1198ACA7-C295-443D-BA11-41BD4C2892E7.jpeg62BDAA76-9839-4588-823F-8666C97C93F8.jpeg2C4F64AE-7290-4FF9-A585-5AC6F266EFF6.jpeg4D4FEAA5-635C-4BA1-937C-042692C006C1.jpeg

Curtimos uma boa preguiça e por volta de 13h e pouco fomos almoçar “na cidade”. Tinha visto o restaurante número um do Tripadvisor. Em geral a gente acerta. Mas estava fechado. Ali na mesma galeria estava o restaurante número quatro. Foi ele mesmo: o Altiro. Eles tinham um cardápio executivo por 6500 pesos. Eu peguei um ceviche de entrada que estava delicioso. O prato principal eu escolhi a chorillana. É um prato típico chileno. A receita muda um pouco em cada lugar do país. Aqui a base era batata frita servida com carne em fatias, ovo frito, linguiça e cebola caramelizada. Estava simplesmente delicioso! Recomendo e depois vou fazer um Tripadvisor dele.

BB82DF1E-7C8C-477A-89E8-9A820BBF103B.jpeg65ADF867-A110-4B4B-9ED4-4BD68CFE7612.jpegD8E24220-F28A-4F7B-883D-630E7A6B4E2D.jpeg

Saímos ali no centro pra ver se achávamos o doce de leite que serviram no café da manhã hoje. Rodamos algumas lojas mas eu dei a ideia de ir na agência pra ver o nome do hotel na Bolivia pra Rosana e a gente aproveitava e perguntava lá qual era. Eu até pensei em levar mas aí ela disse que era Nestlé então eu desisti. Mas as meninas queriam então fomos no mercadinho que indicaram lá no Araya e compramos.

12B6AD09-D559-4A48-A772-38D89824AB09.jpeg30B7EDCB-4EFB-48B9-81F3-89C43794D5CB.jpeg

Depois voltamos pra casa mas no caminho fizemos uma parada na igrejinha de SPA. Essa igreja foi construída em 1774 pelos jesuítas espanhóis. Foi em torno dessa igreja que foi surgindo o povoado de SPA. Uma curiosidade é o teto feito em madeira de cacto e couro de lhama no lugar de pregos. O uso da madeira de cacto é bem característico dos povos andinos. Parece cenário de filme esse lugar. Mais um lugar de paz!

F1F4A4EE-9060-4A05-A36A-7CE867C60C1C.jpegFA7FADD2-E717-4C5B-8AB9-A7FED582BA68.jpeg54D19819-79C5-4791-B8F8-571A3F70ED21.jpeg47554A43-E002-4BBE-9602-6A5812D46034.jpegD30C0840-DD00-468F-9953-2B7A81FF792D.jpeg1451177A-29BA-425C-94CE-D3260BBE80A0.jpeg512F8F7D-85A1-45C1-BFB2-14092D47A25B.jpeg

Dali voltando pela rua Gustavo Le Paige (nome do arqueologista belga que era apaixonado pelo deserto), descobrimos uma feirinha de artesanato. Seguia um pouco os padrões das lojas do centro e não compramos nada. Então voltamos pra casa.

713C8AD8-FC5F-472C-8BC9-D9902EA39CA7.jpeg

Hora de curtir preguiça de novo? Não! Resolvi começar a organizar as malas. Coloquei as roupas que não serão usadas na minha mala e as roupas que vão pra Bolivia na mala da mamãe. Depois que as coisas ficaram encaminhadas sentei na sala pra atualizar o blog até Gabi me chamar pra ir no mercadinho da esquina. Compramos empanadas pra comer mais tarde e depois fiquei assistindo jornal das notícias de Santiago. O bicho tá pegando lá...

Publicado por Akemi Nomura 00:40 Arquivado em Chile Comentários (0)

San Pedro de Atacama

Dia 2

sunny 18 °C
Visualizar 2019 Atacama e Uyuni no mapa de viagens de Akemi Nomura.

Acordei cedo de novo! Às 4h da manhã estava finalizando o post de ontem. Como era de se esperar está bem frio agora de manhã. A tendência é ir melhorando durante o dia mas tem que superar esse frio dos infernos até umas 10h pelo menos, depois fica menos frio e só a tarde esquenta.

Tô aqui pesquisando o local que nós vamos hoje e o povo tá dormindo um sono gostoso... Mas já são 6h30 e a van nos busca às 8h. Acho que vou começar a me arrumar pra não ter concorrência, hehe. Já estava com fome mesmo. Mamãe levantou e um pouco depois tocou o alarme da Rosana. Que comece o dia dois.

O passeio de hoje é para Lagunas Escondidas. Já li um bocado e vi alguns vídeos do lugar. Já sei que a água é congelante. Nem vou levar roupa de banho porque a chance de eu entrar nessa água é zero. Bom, sem sofrer por antecedência. As lagunas ficam em um salar a quase 60km de SPA. São 7 lagoas com um tom azul turquesa inacreditável. Em duas delas dá pra entrar. A temperatura MÉDIA da água é 18 graus. Lembrando que a temperatura externa vai estar uns 13 graus... se tiver um neoprene de 7mm eu posso pensar no caso, hehe. A concentração de sal aqui é mais alta que no mar morto. Se eu não estiver errada lá tem 300gr de sal por litro e aqui são 400gr. No meio do salar não podia ser diferente. Se lá não afunda, imagina aqui então...

Hoje a van atrasou meio minuto, rs. Fomos as primeiras e depois fomos pegando a galera. Estava 9 graus quando saímos. O guia disse que vamos hoje no outro lado da Cordilheira do Sal (a que fomos ontem). Logo no começo tem um vale que eles chamam Vale dos Dinossauros. Isso se deve ao fato das formações rochosas “parecerem” as costas de um dinossauro deitado. Não tomei chá de coca hoje então não consegui ver isso. Mas era uma paisagem bonita. A estrada também é maneira, tipo, parece sem fim.

7C497EA1-9453-4F7A-B3B0-1A67DE296378.jpeg2A64596C-FA7F-4616-8D4F-3E0D35C04782.jpeg292F5881-DFCB-4562-9BEA-FC1BDD6F7B05.jpeg

Chegamos antes do pessoal que abre as lagunas. Mas nem precisou esperar tanto porque eles chegaram logo depois. A entrada custa 5000 pesos regular e para idoso custa 3000. Ali na entrada tem banheiro e lugar para tomar ducha (pra quem vai entrar). Depois de pagar fomos até o estacionamento. São sete lagunas sendo que na primeira e na última é permitido entrar. Logo na primeira já fizemos uma pausa para fotos já que estava vazio. Muito lindo o lugar.

4D39EEA9-8028-4224-80B3-500311112305.jpeg549946C2-D55E-44E5-A1AE-8F3832F22D5B.jpegCC5993A0-2F9A-49B0-BB23-BB0B5C55D89D.jpeg11BA1A36-E621-4EF5-A247-B1E214C1AF8E.jpeg
5BFBFECD-0E26-434B-BAB8-07FDC5C9EA90.jpeg605C5204-9029-46B1-B990-48AB1266BDDF.jpeg

Depois fomos seguindo a trilha com o guia sempre junto. Ele parava e fazia algumas explicações da formação dos sais. Eu confesso que não vou saber reproduzir aqui tudo que ele falou. Teve uma hora que ele fez o experimento que foi feito ontem. Ficamos todos em silêncio e conseguimos ouvir aquilo que o Hector chamava de sinfonia do sal: o barulho do sal trincando. E assim vão subindo pequenos ressaltos que, se não chove (o que é normal), vai escurecendo e formando a paisagem do lugar.

6E852C37-E8BA-4C93-9280-F915BA73B749.jpegB0F76E8B-7B98-41A4-ADAE-E4F89928D894.jpeg3B81D04A-86DA-49A7-8DA7-F94676700D27.jpegC67D6D2C-4C8D-486C-AAC1-4912CF1FE166.jpeg19C5E04A-F5A5-4750-BB86-D50039A90327.jpeg5EA3546C-7C9F-4E56-AD53-670B9D8DF096.jpeg5A54D1B7-4860-4937-AF7C-8E2BE9F2C15A.jpeg

Desculpa gente, tem muita foto e eu não consigo me decidir.

FFE61A9E-12F2-462B-9E9D-B310BD3980D8.jpegC67D6D2C-4C8D-486C-AAC1-4912CF1FE166.jpeg5EA3546C-7C9F-4E56-AD53-670B9D8DF096.jpeg764E29DE-8B88-421B-9195-8C1940F4CE56.jpeg19C5E04A-F5A5-4750-BB86-D50039A90327.jpegEA527994-B5BA-4BD8-B07E-18F3774D8BE5.jpeg166E689F-FC78-41BD-8691-666F8189FB9E.jpegB1B0463B-188D-4CE9-A8E5-DD435C60BEBE.jpeg71CD2846-EC6A-4046-93F5-3D1B5EAF15F7.jpeg9246C60B-54DE-464C-A6F1-A7DDFBBEABA5.jpeg

Continuamos a caminhada e, desastrada como eu sei que sou, nem olhava muito a paisagem, estava mais preocupada em olhar onde eu estava pisando para não cair. Detalhe, estava com câmera no pescoço, gopro pendurada no braço e celular no bolso. Mas cheguei inteira! Na última laguna também pode mergulhar, ou melhor, boiar. Temperatura da água? O guia disse que estava DOZE graus! Sem chance! Sabe quantas pessoas entraram? Nenhuma! O guia disse que era a primeira vez que ninguém num grupo dele entrava. Fiquei até com dó, rs. Mas ficamos lá aproveitando o visual e tirando 478 fotos.

63AE273D-60DC-4B05-BAC2-AB7978E31774.jpeg
71CD2846-EC6A-4046-93F5-3D1B5EAF15F7.jpeg53229046-9F72-45A8-AD1A-A923AD390FAD.jpeg2D4D74B1-5857-4C05-A204-5C7728C06AC3.jpeg328DDD26-ABD3-4528-99D2-9C05ABED2736.jpeg8C52F125-06CF-470E-8B92-D4C9F15363A6.jpegE3FD9745-36E2-47C5-87E0-06F09002311E.jpeg6C63B4D2-1E65-41AD-AAF8-CD2C58FAF2B8.jpeg999A573F-26D0-46D5-B498-49620E2E09E1.jpegB0AF715D-0D51-4FD4-9302-EB4076D2E584.jpeg

Tô com problema pra escolher foto hoje.

B745FE25-DD83-424D-A536-11BD555B1855.jpeg26A299BD-FBB5-47A5-A8FE-5408B53E8E53.jpeg42F48318-35EA-4F67-B473-D1195A4EE5CE.jpegBBDA057F-9300-4CD2-BA25-1C17DB75BA27.jpegE1D702FE-ADCA-427A-8C08-7493A3E86584.jpeg39290CD4-E4D8-4071-BB31-CBA0B7DE2AD8.jpeg9DAAD38D-32C6-4A79-8D55-B3E718D5D123.jpegFC772B1D-C6FD-4F76-B39A-41EECF127623.jpegFDA5004F-E8C7-400F-BEA5-2E2BF7E2968F.jpeg69C48D5F-5C23-4A49-A0C1-DA3D72BE4B01.jpegAF545320-1C4D-4E53-A206-9E0ECE188212.jpeg

Depois de um tempo o guia disse que ia voltando mais rápido e nos deixou à vontade pra voltar no nosso tempo. Eu, como não aproveitei a ida, fui voltando bem devagar. Parei várias vezes pra fazer fotinhas. O sol estava bem forte. A garrafinha de água já estava esvaziando. Super curti o lugar. Confesso que chegou a bater um certo arrependimento de não ter levado roupa de banho. Estava quente e sair não seria problema. Mas entrar... Uma pena! Mas valeu muito o passeio.

DB986B58-DCBB-4FA5-B347-BC530117734B.jpegA9066547-736A-40E7-A180-D5BC9801F6BC.jpegA0192E9D-4CF7-41AA-8765-4AF2FDC22BF8.jpegBCAFC45F-517A-41AC-8CF3-A9EA28728606.jpeg83A7F3A9-3717-48C5-BD3F-B2D61CE64EE8.jpegC1AAAE40-C2A6-4AA7-BD38-B68A62A8F806.jpeg264DE472-9005-473A-A16E-822F6236ACC8.jpegEAA68640-80A2-417D-904E-72D30D55BE68.jpegC4EFAC05-D470-46DB-BED3-685DFD749354.jpeg02DF7036-FBBD-4B6F-9DA7-4B04279CB37A.jpeg4862F4B8-7DA5-4C55-AA5C-0623CFCEA935.jpeg

Voltando pro estacionamento a mesa já estava posta. Hoje foi servido ceviche. Estava uma delícia! Tinha um queijo com shoyu também, nham nham. Tava muito bom pra variar. Tomei só um pouquinho de vinho porque fiquei com receio depois da taquicardia de ontem. Troço ruim, quero de novo não... brindamos a mais um dia nessa viagem mara!

EDD02FE4-CF67-420A-89E8-07C2DE9B5CCC.jpeg6BD70C16-8686-4007-B9C5-97B7D24ED9DE.jpeg

Voltamos por volta das 13h, eu acho. O trajeto das lagunas até SPA leva cerca de 1h. Foi o momento de ficar um pouco de bobeira. Aproveitei que estava calor e lavei o cabelo. Coloquei uma bermuda pra dizer que usei pelo menos uma vez. E assim foi todo mundo tomar banho. Eu decidi ir lá pro terraço da cabana porque o dia estava agradável. Depois todo mundo subiu e a gente ficou lá batendo papo.

Estava vendo sobre a erupção do vulcão Lascar. Parece que foi a última explosão de vulcão no Chile. Isso foi em 2006 mas parece que até hoje ele solta uma fumaça que daria pra ver se SPA. Procurei no mapa pra ver onde era e não achei nenhuma fumaça. Talvez não dê pra ver o vulcão, só a fumaça, sei lá. Mas fiquei curiosa. Amanhã vou perguntar pra dona do hotel.

Resolvi tentar brincar com o drone. Apanhei um pouco até conseguir conectar tudo. Levantei o drone por pouco tempo, a bateria estava baixa. Amanhã eu brinco de novo.

C7F54189-5AC9-41F7-803E-44EEADFED40A.jpeg7431B896-E971-4E0D-A48D-4B8576E8D8CA.jpeg

Gabi perguntou se rolava uma meia hora de descanso. Por mim de boa, afinal, estamos de férias! Perto das 16h saímos pro centro. Estava quente ainda mas lá pelas 18h começaria a esfriar. Então troca a bermuda, pega o casaquinho e pé no caminho. Leva uns dez minutos até o centro.

Chegamos na praça e descemos da Gustavo Le Paige para a Caracoles. A Caracoles é a principal rua de SPA. Várias empresas de turismo ficam por ali. Tem vários restaurantes também de todo tipo. Lógico que as lojinhas de souvenirs que vendem aquelas bugingangas todas iguais também lotam a Caracoles. Fomos andando por ali sem compromisso. Compra uma lembrancinha aqui, um imã de geladeira lá, e fomos indo.

165C8C52-DCD2-4D6D-8CE4-62CE6EEACF5D.jpeg3784446C-61D8-48DE-B938-00B81D010F58.jpeg992D60C2-B85C-48E9-A120-5D177C25EF3C.jpeg6BB22A91-2D8C-475F-9C14-E731867F657B.jpeg52541301-2C6E-48BF-AA9F-4CA94F4C42FA.jpeg2799612D-06B1-4DC6-8772-F12BA79A0C6A.jpegAAC45849-63DD-4FC1-85F0-57ECEAE9EBAE.jpeg93A76418-977D-4DD2-952D-6E00D697314F.jpegC6B6BC68-78DC-477F-952A-A5116A4CAFE6.jpeg

Mais fotinhas pra dar uma real de SPA.

D62607F2-235D-440B-AF41-C862F7250BB1.jpeg77172D5E-FF1C-4EE8-9BF7-E94776130E07.jpeg9A2CE8A5-3725-410D-9530-C8CEFFCBF981.jpegC3340AE2-20EE-4B60-A53F-C71086968C75.jpegE930E1DA-1C30-4610-9C72-1655E6EE7A97.jpeg6FC759B6-B928-4BD1-AE03-6E37C18AE172.jpegFCB1E695-1FC0-407A-963E-0AD8A4A9FD3E.jpeg4B780D3F-BF2A-49D0-B49E-6F68F747E9D9.jpegB67F7BE1-421E-4751-A25B-0AB3775F002A.jpeg7A8C3E26-B0E5-4097-881D-7EAB1D05BBBD.jpegF3B31559-47C9-43E5-B7F6-066A9472D00B.jpeg5DD2B341-D283-484F-A6BA-212E4444CDAF.jpeg025AD1E1-D3B4-4676-870F-036A7BB638E3.jpeg

Claro que teve a primeira parada em um restaurante de SPA. Um brinde a nós!

34DC024F-7832-4F43-89D1-72372939EF14.jpeg

Uma das atrações de SPA são os doguinhos. Eles são grandes e bonitos. Mesmo os de rua são super bonitos. Além de super amigáveis. Parece que mesmo os que tem dono ficam soltos. Eles realmente são uma atração a parte da cidade.

4F4A101E-7B85-450B-A9E8-BA6267F4453D.jpeg119F9E05-3564-4277-A67F-0D9CA9B9EB9E.jpeg31B88E37-D718-47CB-A21D-2573E37655BA.jpeg9B4C3D5D-4FF6-4091-BA01-5CBB5B75FFB5.jpegED0C4CA1-F5BA-4D09-A2AC-E8E3028B5670.jpegCE53C969-6640-49D1-AEE0-A2FFDA98195D.jpeg

Resolvemos seguir a indicação do coleguinha das termas de Puritama que dividiu a piscina com a gente e fomos no Casa de Piedra comer uma pizza. Estava cedo ainda, acho que não eram 18h. Eles ficam abertos direto. A pizza estava bem gostosa, valeu a caloria. Veio na hora certa, foi na quantidade certa. Depois passamos numa lojinha e eu comprei uns brincos de prata que eu adoro. Por fim, terminamos na gelateria do final da rua que definitivamente não valeu a caloria.

Já estava esfriando e fomos voltando sem pressa. As ruas estavam bem cheias. É a galera que não fez passeio à tarde com a galera que fez passeio de dia (quase) inteiro. Chegamos em casa e já fomos arrumar as coisas porque amanhã vão nos buscar às 5h30. Difícil vida de turista, viu? Rs. Por hoje eu só pessoal!

Publicado por Akemi Nomura 22:08 Arquivado em Chile Comentários (0)

(Textos 1 - 5 de 12) Página [1] 2 3 » Próximo