Um blog do Travellerspoint

Alemanha

Berlim - dia 04

26 04 2011

rain 16 °C
Visualizar 2011 Europa no mapa de viagens de Akemi Nomura.

Hoje o dia começou bem fraquinho, mas valeu muito pelo final. Mesmo com chuva, a parte mais interessante começou na hora do almoço e foi até a noite chegar. O começo foi mais pra cumprir tabela. Até antes do almoço tudo levava a crer que o dia seria improdutivo, juntou o cansaço e a chuva para tornar o dia mais desanimador. Mas a mesma chuva que desanimou fez com que a gente procurasse um dos restaurantes mais interessantes de Berlim por puro acaso. Vamos ao que interessa:

FERNSEHTURM

O Fernsehturn, ou torre da televisão (fica mais fácil assim), pode ser vista de vários pontos de Berlim. Aliás, você tem a sensação que em qualquer lugar da cidade está perto dela. A enorme esfera de metal com revestimento de aço possui um café giratório a mais de 200m de altura que proporcionam uma vista de 360 graus da cidade. É bem bacana, mas vá cedo, senão a fila de espera pode chegar a ser de 40min a 1h, além da meia hora de fila pra comprar o ingresso. Outra idéia é ir um dia para reservar e ir outro dia, perde-se menos tempo.

NEUES MUSEUM

De volta à ilha dos museus, para quem gosta pode dedicar um dia inteiro para todos. Ou ao menos vale uma visita a um dos vários museus da ilha. É só escolher o tema favorito e comprar o ingresso. Escolhemos o Neues Museum pelo simples fato de lá estar o busto de da rainha egípcia Nefertiti, aparentemente o único existente no mundo, pois os demais teriam sido destruídos. Este museu foi totalmente destruído na Segunda Guerra Mundial e voltou a abrir as portas 70 anos depois.

MUTTER HOPPE

O Restauratiom Mutter Hoppe (ou algo parecido),fica na Rathaustrasse, 21, Nikolaiviertel, 10178, Berlin Mitte. Foi uma grata surpresa. Por acaso escolhemos esse restaurante, um pouco afastado da ilha dos museus, porém no agradável bairro de Nicolau. Lá, não podiam faltar cerveja, Eisbeinn e chucrute. E como toda cozinha alemã é bem servida. Depois de comer, começou a chuva que previa um fim de dia melancólico. Acabamos descendo pro subsolo para aguardar a chuva e encontramos um simpático casal brasileiro de Santo André e ficamos trocando figurinha. Por ele ficamos sabendo que estávamos em um dos melhores restaurantes de Berlim, indicação de várias revistas de viagem. Fica a dica: Mutter Hoppe – Deftige Deutsche Küche.

DESCANSO VÁLIDO

Com a chuva, o almoço farto, a cerveja e o cansaço, a solução foi voltar pra casa e descansar um pouco. Já eram 16h, e como aqui é horário de verão o dia se estende até tarde. Depois de um descanso e confiando no tempo, resolvemos ir pro próximo ponto.

CHECKPOINT CHARLIE

Aqui vale um breve relato sobre o lugar. Existiam oito pontos de passagem no muro de Berlim. Neste locais era permitido a alguns moradores da Berlim Ocidental, em ocasiões festivas, atravessar o muro e visitar a Berlim oriental. Já os moradores da Berlim Oriental eram terminantemente proibidos de irem ao lado ocidental. Esses pontos de passagem eram chamados pelos americanos de Check Points, e era um ponto sensível onde dois sistemas políticos opostos e inimigos eram obrigados a se encontrar.

O mais famoso ponto de passagem de todos ficou conhecido por Check Point Charlie. Ainda hoje na avenida está uma amostra de como era a barreira do lado americano e a placa alertando em vários idiomas: “You are leaving the american sector”. De um lado da avenida com vista para Berlim Ocidental, uma foto de um soldado americano. A mesma placa, do lado ocidental, com vista para Berlim Oriental, uma foto de um soldado russo.

Ali do lado está o Museum Haus Am Checkipoint Charlie, uma dolorosa lembrança de um passado recente. As tentativas desesperadas de fuga dos moradores da Berlim Oriental são tocantes. É como deixar uma ferida aberta, deixando para as próximas gerações uma lição de vida.

TOPOGRAPHIE DES TERROR

Na rua Niederkirchnerstrasse, logo ao lado do Check Point Charlie, está a exposição ao céu aberto chamada Topografia do Terror. A história ali é marcante, como um tapa na cara de um passado recente mostrando até onde pode ir a estupidez humana. A exposição fica em um terreno rebaixado que foi um abrigo de ataques aéreos.

MURO DE BERLIM

Logo ao lado do Topographie des Terrors está um pedaço enorme do muro original. Foi ali que, em 9 de novembro de 1989, os alemães se juntaram para ver a história da queda do muro de Berlim. Ali também começa a marca no chão da cidade de onde se encontrava o muro. Saindo em silêncio da exposição do Topographie des Terrors, me deparei com uma parte do muro que, no mínimo, leva a refletir. Uma palavra em inglês pichada em vermelho, três letras apenas: “WHY”.

large_DSC00938.jpg

Publicado por Akemi Nomura 14:47 Arquivado em Alemanha Tagged berlim Comentários (0)

Berlim - dia 03

25 04 2011

semi-overcast 16 °C
Visualizar 2011 Europa no mapa de viagens de Akemi Nomura.

Continuando na Berlim Oriental, que na verdade é o que interessa, o objetivo era ir em dois dos lugares mais importantes de Berlim: o Portão de Brandemburgo e o Fernsehturm. Metade do objetivo cumprido. Entre eles várias paradas por pontos turísticos da cidade. Depois de tomar café no apartamento, rumo ao belo Brandemburger Tor. Começa o dia 3:

DSC00765.jpg

BRANDEMBURGER TOR

Pegamos o metro até o mais próximo da Av Unter den Linden. De lá foi uma boa caminhada até o portão de Brandemburgo. Pouco antes da chegada ao portão, uma parada para um capuccino no centro da avenida, com vista privilegiada para o portão. O portão de Brandemburgo é o símbolo de Berlim. É uma magnífica escultura neo-clássica, modelada de acordo com a Acrópole, construída entre 1788 e 1791. Cruzar o portão dá a sensação de atravessar para outro mundo. Mesmo depois de reunificada, a diferença entre Berlim Oriental e Ocidental é marcante. À noite, o Portão torna-se um belo cartão postal para os fotógrafos.

REICHSTAG

Um imponente edifício construído às margens do rio Spree no século XiX abriga o Parlamento Alemão. O projeto neo-renascentista captou o espírito otimista alemão e é hoje um grande símbolo para o povo. As visitas à cúpula são permitidas apenas com prévio agendamento pela internet com 4 a 5 dias de antecedência. Se não tiver reservado, como eu, dê uma volta ao redor do prédio que Berlim reserva próximo ao rio o contraste de prédios antigos com edifícios mdoernos.

UNTER DEN LINDEN

Essa é uma das avenidas mais famosas de Berlim. Começa na Schlossplatz e segue até a Pariser Platz, onde fica o Portão de Brandemburgo. A rua tem vários restaurantes, cafés e lojas com bugingangas que os turistas amam. Vários eventos e manifestações também encontram abrigo nesta avenida. Recomendo almoçar em um bom restaurante um belo prato de comida alemã.

MADAM TAUSSADS

Na mesma avenida Unter Del Linden encontra-se o famoso museu de cera Madam Taussauds. Há duas filas na entrada, uma para os que fizeram reservas e os “Vips”, e outra para os demais. Como para ser vip bastava pagar 5 euros a mais, optamos por ser vip, rs. O museu de cera não reserva muitas surpresas pra quem já foi em algum ao redor do mundo. Mas pra quem nunca foi, com certeza é um excelente passeio.

NEUES MUSEUM

Fizemos uma tentativa frustrada de ir à Ilha de Museus, especificamente no Neues Museum, para ver o busto de Nefertite. Porém, pecamos pelo horário. Fica pra outro dia.

ALEXANDERPLATZ

Alexanderplatz abriga algumas atividades ao ar livre, a Marienkirsche, o Rotes Rathaus e o Fernsehturn. A Fernsehturn, ou torre da Televisão, tem 365m de altura, no total, e conta com um café giratório com vista privilegiada da cidade. Para subir na torre devem ser comprados ingressos com hora marcada, recomendo ir cedo para não perder tempo esperando. A Marienkirsche é uma igreja da netade do século 13, seu estilo neo-gótico fazem dela uma das mais interessantes de Berlim. O Rotes Rathaus é a sede da prefeitura. Sua torre vermelha e sua bela arquitetura se destacam na praça.

FRUSTRAÇÃO DO DIA

Além de não ter subido ainda a torre da televisão, acho que minha maior frustração do dia foi ter perdido uma das fotos mais bonitas que tirei até então, com as tulipas e o portão de Brandemburgo no fundo. Só fiquei menos chateada por ter dado uma volta à noite na cidade e ter tido a agradável surpresa da bela iluminação do Portão de Brandemburgo e da vista especial do monumento na Bebelplatz. Mas ainda tenho dois dias pra tirar outra foto e ter outra chance.

Publicado por Akemi Nomura 21:17 Arquivado em Alemanha Tagged berlim Comentários (0)

Berlim - dia 02

24 04 2011

sunny 25 °C
Visualizar 2011 Europa no mapa de viagens de Akemi Nomura.

A meta do dia era conhecer parte da Berlim Centro Oriental. Como estamos hospedados próximo, dava pra começar o trajeto a pé ou pelo metrô (estação Stadtmitte). Vamos por partes:

FRANZÖSISCHER DOM E DEUTSCHER DOM

A primeira foi construída para a comunidade huguenote, que encontrou refúgio na Berlim protestante. Embora pareça idêntica à Deutscher Dom, seu único traço idêntico são as torres combinadas na parte da frente. A bela igreja tem uma torre de 66m de altura, dando uma vista de várias regiões da cidade.

A segunda é uma antiga igreja protestante da Reforma. Baseada num formato de cinco pétalas, foi erguida em 1708. Foi destruída pelo fogo em 1945 e refeita em 1993.

Bom, infelizmente as duas estava fechadas, apenas a primeira tinha acesso à torre. Porém a preguiça venceu a coragem de subir. Fica pra próxima. Mas a praça em frente às duas igrejas já é uma atração a parte com lojinhas e restaurantes muito bons.

KONZERTHAUS

Esse belíssimo prédio, decorado por esculturas referentes ao teatro e à música, é uma das maiores realizações do mais celebra arquiteto de
Berlim, Karl Friedrich Schinkel. Em frente ao teatro está uma estátua em mármore branco e brilhante de Friedrich Schiller. Esta estátua foi removida pelos nazistas em 1930 e voltou ao seu lugar na praça em 1988. Hoje a Konzerthaus é a sede da Orquestra Sinfônica de Berlim.

A arquitetura do prédio é belíssima, de quebra com as duas igrejas em cada ponta tornam a praça um ponto movimentado de Berlim. O trânsito de ônibus lotados de turistas é imenso. Vale a visita, ou pelo menos uma passada na praça.

ST HEDWIGS KATHEDRALE

É a catedral Católica da Arquidiocese Romana de Berlim. Danificada na II Guerra, foi reconstruída entre 1952 e 1963. A comparação ao Pantheon romano talvez seja meio exagerada. A igreja alemã tem arquitetura mais moderna, a igreja romana transborda história. No dia que visitamos a catedral era domingo de páscoa, tinha missa, e estava lotada. Vale a visita, principalmente pelo simbolismo da catedral para os católicos.

BEBELPLATZ

Em 1820, o poeta Heinrich Heine teria escrito: “Onde se queimam livros, no final arderão pessoas”. Em 1933, a praça foi cenário da infame queima de livros organizada pela propaganda nazista, cujos autores eram considerados inimigos do Terceiro Reich. Hoje, no centro da praça, um painel translúcido no chão fornece uma imagem de um aposento com estantes vazias, enquanto uma placa mostra as palavras proféticas do poeta.

Essa praça é meio que um mergulho na história recente do mundo. Em pensar que o regime nazista ali protagonizou uma cena lamentável com a queima de livros daqueles que pensavam diferente é meio, digamos, triste. Uma cidade tão rica em história como Berlim poderia ter hoje uma herança mais bonita para as próximas gerações, e não a forma como foi seduzida por um tirano e o preço que pagou por isso. Infelizmente essa triste história deve permanecer ali para que as próximas gerações lembrem e não cometam os erros do passado.

NEUE WACHE

Um dos melhores exemplos da arquitetura neoclássica de Berlim. Em 1933 foi dedicado à memória de todas as vítimas de guerras e ditaduras. Perto dos monumentos ao lado ele se torna pequeno no tamanho. Dentro do pequeno monumento há uam cópia da escultura "Mãe com o filho morto" e, por baixo, as cinzas de um soldado desconhecido, de um herói da Resistência e de um prisioneiro de campo de concentração. A arquitetura em si não me atraiu tanto quanto o forte simbolismo do local. A marca da história contemporânea de Berlim é bem forte e ver de perto as cicatrizes de um história triste é algo bem marcante.

HULBOLDT UNIVERSITAT

Erguido em 1753 pelo príncipe Henrique da Prússia, aqui trabalhou Albert Einstein e se formou Karl Marx e Heinrich Heine. Os irmãos Humboldt estão entre os mais notáveis cidadãos de Berlim. Foi iniciativa de ambos que fundou-se a universidade. Na entrada da universidade encontram-se estátua de ambos. Esse sim, só de estar em um lugar que formou Karl Marx e em que trabalhou Albert Einstein já valeu a pena.

SCHLOSSBRÜCKE

Essa ponte é uma das mais belas de Berlim. Liga a Schlossplatz à Unter den Linden.E, 1853, adicionaram-se estátuas esculpidas em mármore de carrara, criações de Schinkel, que representam quadros da mitologia grega.

BERLINER DOM

Construída entre 1747 e 1750, o exterior impressiona mais que o interior. O gramado é convidativo para um descanso. Para ter acesso à Catedral tem que comprar um ingresso na porta por 5 euros (sem audio guide). Dentro da catedral, além de visitar a bela nave, ainda é possível chegar à cúpula e ter uma vista exclusiva da cidade. A saída é pelo subsolo, que oferece uma visita à cripta, onde diversos reis, rainhas, príncipes e princesas repousam a mais de 3 séculos.

PASSEIO DE BARCO PELO RIO SPREE

Logo na saída da Berliner Dom há vários pontos de saída de barcos com passeios pelo rio. Escolha um e divirta-se. Escolhemos um qualquer que deu uma volta no rio, só teve um porém: o guia só falava alemão, ou seja, não entendemos nada. A dica é: quando todo mundo olhar pro lado direito, olhe também... rsrs...

NOITE

Foi só escolher um dos vários restaurantes ou bares à beira do rio Spree para comer uma boa comida e beber uma boa cerveja...

large_DSC00419.jpg

Publicado por Akemi Nomura 10:00 Arquivado em Alemanha Tagged 2 berlim dia Comentários (0)

Berlim - dia 01

23 04 2011

sunny 25 °C
Visualizar 2011 Europa no mapa de viagens de Akemi Nomura.

Viagem

Depois de 11h de vôo na companhia de um simpático holandês que me inteirou de estatísticas impressionantes da agricultura mundial, chegamos em Amsterdã para uma parada de 4h. A imigração foi tranqüila, de cara já entreguei os cinco passaportes e de imediato já foram carimbados. Logo na fila do raio x um funcionário perguntou se eu já tinha ido à Amsterdã antes. Respondi que sim, no ano anterior. De pronto o funcionário respondeu que achava que se lembrava de mim. Marquei presença, rsrsrs.

Companhia aérea

O vôo foi de KLM. Uma boa relação custo x benefício. O atendimento é bom, a comida é mais ou menos e o preço é muito bom. Eu recomendo.
DSC00347.jpg

Transfer

O transfer do site Airport shutle funcionou muito bem. É pré pago, já estava na porta esperando uma van bem equipada que nos deixou na porta do apartamento. E já está combinado a volta para ir até o aeroporto. Para 5 pessoas saiu 126 euros ida e volta. Depois de uma viagem cansativa vale muito a pena.

Hospedagem

Bom, por motivos pessoais dessa vez eu escolhi me hospedar em um apartamento. Escolhi pelo site do Booking.com um apartamento de 1 quarto no Go-Apartments Berlim-Mitte. Recomendo fortemente. O esquema é super simples, o cara encontra a gente na frente do apartamento e já deixa as chaves. O apartamento é bem equipado, perto do metrô, de restaurantes e supermercados.

O dia (ou o resto do dia)

Bem, até aqui deu tudo certo. Viagem, conexão, transfer, apartamento. O próximo passo do dia era ir até o supermercado abastecer a dispensa. Depois de uma típica furada de viagem, quando passamos reto pelo supermercado que o rapaz do apartamento tinha indicado, caminhamos horrores até chegar ao outro supermercado. Chegando lá, faltando 20 minutos para fechar, enchemos o carrinho. Ao ir pro caixa, surpresa.... não aceitava cartão e estávamos sem um p*** no bolso. Que beleza...

Voltando pro apartamento, percebi que tínhamos passado em frente a um ATM. Já meio irritada saquei 500 euros. Na volta ao apartamento e já com fome, resolvi dar uma volta pra procurar comida. Para minha surpresa achei o supermercado que o rapaz tinha indicado e ainda estava aberto. Enchi o carrinho e voltamos para o apartamento. Foi como um gol aos 45 do segundo tempo.

Publicado por Akemi Nomura 00:43 Arquivado em Alemanha Tagged berlim Comentários (0)

Munique

TERRA DO BAYERN, DA HOFBRÄUHAUS E DA OKTOBERFEST

semi-overcast 16 °C
Visualizar 2010 Europa no mapa de viagens de Akemi Nomura.

large_Imagem_028.jpg

Talvez Munique seja uma das cidades mais bonitas da Alemanha. Sabe aquela referência de Alemanha que a gente tem no Brasil, como a cidade de Blumenau? É isso que a gente vê em Munique. Aquelas casas e prédios com arquitetura peculiar, florida, bonita...

Mesmo não conhecendo muito da Alemanha pra comparar, é difícil não concordar com a beleza e o charme da cidade. Na Marienplatz, praça central da cidade, entre as abóbadas esverdeadas da Frauenkirsche e as torres pontiagudas da Neues Rathaus (Prefeitura), Munique confirma que nenhuma outra cidade alemã poderia levar o título de mais bonita. A cidade considerada a capital da cerveja tem a festa mais badalada do mundo nesse sentido, a Oktoberfest. A festa que teve origem na comemoração do casamento do Rei Ludwig I da Bavária, em 1810, se espalhou pelo mundo junto com os imigrantes alemães. Em 2010, era a 200ª realização da festa em Munique, a maior do mundo.

O hotel

Os hotéis em Munique são absurdamente mais caros que muitas cidades famosas na Europa. É uma cidade que tem muita convenção, feiras internacionais, festivais, entre outros. É bom buscar um hotel com antecedência, pois os preços tendem a disparar com o com passar do tempo. Especialmente se a idéia for ir à Oktoberfest.

Se quiser um local tranqüilo, fora do centro, mas com fácil acesso ao metrô recomendo o hotel que eu fiquei. Chama-se Hotel Orly (http://www.hotel-orly.de/). É um hotel simples, limpo, organizado, com café da manhã e próximo ao metrô. Por ser fora do centro talvez nas lojas e restaurantes haja uma certa dificuldade de comunicação. Teve um episódio engraçado quando fui almoçar num restaurante próximo ao hotel. À noite tinha o cardápio em inglês, mas no horário do almoço não. Como a garçonete não falava bem inglês, teve que chamar outro garçom para traduzir o cardápio para mim. O atendimento exclusivo me fez deixar uns 4 euros de gorjeta... rsrsrsrs...

O transporte

Munique tem um enorme aeroporto internacional. Mas não sei falar muito sobre ele, pois cheguei de trem vindo da Áustria. Pra quem vem da Áustria e para em Salzburgo, pra chegar a Munique é só pegar o trem alemão que sai de lá (http://www.bahn.de/p/view/index.shtml). Tem duas opções. O trem rápido é 30 euros por pessoa. O trem lento é 30 euros para grupos de até 5 pessoas. Claro que pegamos a segunda opção. Em duas horas estávamos em Munique. O problema da segunda opção é lugar para guardar as malas. Acabamos sendo meio espaçosas, uma pra cada quatro cadeiras. Mas foi só dormir que não ouvimos mais as reclamações dos outros passageiros. Se bem que, como não falávamos alemão, não entendemos nada mesmo... rsrsrsrs.

Para percorrer o centro histórico da cidade é bom fazer a pé. As distâncias são curtas e as ruas são muito agradáveis. Não tem graça conhecer Munique por baixo da terra. Para os lugares mais distantes, o transporte em Munique é muito bom. Existem os bondes (Strassenbahn), os metrôs (U-Bahn) e os trens urbanos (S-Bahn). Compre os bilhetes nas máquinas automáticas e valide nas maquininhas antes de entrar. Não há catracas, e, mesmo que a fiscalização não seja tão intensa, não caia na tentação de passar sem pagar. Temos que apagar essa fama de que brasileiro gosta de levar vantagem em tudo. Existem diversos tipos de tarifas e às vezes comprar por um número x de dias do que pagar por viagem. Ao validar o bilhete na máquina, começam a contar os dias de validade do bilhete.

Onde comer

Se a fome bater sugiro o agradável restaurante Augustinerbräu (Neuhauser Strasse 16), com um menu repleto de pratos típicos, preços aceitáveis e garçons de boa vontade e paciência com quem não fala alemão. O atendimento é um pouco lento, se a fome for grande a paciência curta, talvez você não desfrute com tanto prazer o lugar, então deixe para outro dia.

Ali perto também se encontra a cervejaria mais famosa do mundo, a Hofbräuhaus. Foi fundada em 1589 pelo Duque William V, da Baviera, para evitar ter que comprar cerveja da baixa Saxônia, sendo de uso exclusivo do Duque. Apenas em 1828 a cervejaria foi aberta ao público. Em 1897 o edifício foi refeito quando foi movido para o subúrbio da cidade. Na Segunda Guerra Mundial toda a estrutura da cervejaria foi destruída num bombardeio, porém foi reconstruída em 1958. Em 24 de fevereiro de 1920 Adolf Hitler organizou a primeira das muitas campanhas de publicidade e propaganda do Hofbräuhaus.

large_Imagem_252.jpg

Durante esse evento foi organizada as regras e idéias do partido nazista. Seu cardápio caracteriza os pratos típicos da Baviera, como carne de porco, joelho de porco e vários tipos de salsichas, como a Weisswurst (salsicha branca). O tipo de cerveja mais tradicional é a Helles, servido em um caneco conhecido como Mass, é servida junto com uma cerveja de trigo e com vinho. Sua cerveja é muito conhecida e procurada pelos turistas que visitam Munique. A música típica alemã é tocada sem pausas durante todo o dia. A cervejaria ainda possui um hino próprio, composto em 1935 por Wilhelm 'Wiga' Gabriel e diz "In München steht ein Hofbräuhaus, eins, zwei, g'suffa!" (Aqui no Hofbräuhaus em Monique - um, dois, nós bebemos". Toda a cerveja consumida é produzida pela Staatliches Hofbräuhaus.

Outra cervejaria famosa é a Mathäser Bierstadt (Bayerstrasse 7). Uma opção pra quem tem pressa, comida gostosa, atendimento rápido, preços razoáveis é o Hard Rock Café. Eu sei que foge um pouco do tradicional da Alemanha, mas dependendo do cansaço cai muito bem. O Hard Rock Café fica em frente à Hofbräuhaus. Como estávamos na cidade em período pré Oktoberfest, o Hard Rock Café foi uma boa solução pra quem não conseguiu entrar na Hofbräuhaus. Preciso voltar à Munique pra conhecer essa cervejaria...

A cidade

Comece a desbravar Munique pela região da Marienplatz, o coração de Munique. A Neuhauser Strasse, uma rua exclusiva de pedestres, é perfeita para bater perna. Lojas, restaurantes e aqueles prédios bonitinhos decoram o lugar. Encontre no mapa a igreja chamada Frauenkirsche. Lá está a tumba do Rei Ludwig I da Bavária. É de lei uma visita à cripta e pegar o elevador para ir até o topo das torres para ter uma bela paisagem de Munique. Eu não subi a torre da Frauenkirsche, subi da Peterkirsche. Tinha uma diferença clara, a primeira tinha elevador, a segunda não... rsrsrs...

Na da rua Neuhauser Strasse, rua exclusiva de pedestres, turistas encontram muitos restaurantes e comércio muito diversificado, além de barraquinhas na rua oferecendo desde lanches rápidos até flores etc. Prosseguindo a caminhada chega-se à praça Marienplatz, está o prédio da Neues Hathaus (prefeitura), decorado com estátuas dos reis da Bavária, e pátios internos abertos ao público, onde estão restaurantes e exposições. Este é o verdadeiro coração da cidade, e costuma estar cercado por turistas de todos os cantos.

Voltando à Rua Nuehauser Strasse, vá em direção à Marienplatz. Lá está o famoso prédio da Neues Hathaus (Prefeitura). Decorados com estátuas dos reis da Bavária, dragões escalando suas torres, seu pátio interno é aberto ao público. Na praça é a maior concentração de turistas da cidade.

NEUS RATHAUS (PREFEITURA)

Na foto acima aparece o prédio da Neues Hathaus (prefeitura), o coração de Munique. Todos os dias, centenas de pessoas se reúnem na praça Marienplatz para apreciar o Glockenspiel. Pontualmente as 11, 12 e 17 horas, durante 8 minutos, seus 43 sinos executam um verdadeiro show. Grandes bonecos representando momentos importantes da história da Bavária se movem acompanhado por música, na sua fachada principal. Um dos momentos demonstrados é a celebração do fim da peste que assolou a região em 1517.

PETERKIRSCHE

Quer um pouco de aventura? Procure no mapa próximo a Marienplatz a Igreja de São Pedro, ou Peterkirsche. Suba suas estreitas escadas disputando espaço com quem desce. Depois de meros 306 degraus e muita falta de ar, você terá uma visão única do prédio do Rathaus (Prefeitura). Visão única porque tem que ter coragem para subir seus 306 degraus, facinho, facinho, rsrsrsrs.

DSC01752.jpg Torre de Peterkirsche, uma prova de resistência

NEUSCHWANSTEIN

Um castelo de contos de fada em pleno século 21 e seu nome é Neuschwanstein. Mas esse passeio está descrito em outro post.
http://anomura.travellerspoint.com/6/

OLIMPIAPARK

http://www.olympiapark.de/

Um lugar interessante para se conhecer também é marcado por uma tragédia. O Parque Olímpico de Munique (Olympiapark) foi construído
para os Jogos Olímpicos de Verão de 1972 e é hoje um espaço para o lazer, para a prática de esportes e para a realização de eventos culturais e sociais. Foi aqui que tivemos o prazer e o privilégio de assistir ao show do U2 no dia 15 de setembro de 2010. A organização do show foi impecável. Dois grandes eventos aconteciam na cidade na mesma noite, na mesma região. Além do show no estádio Olímpico acontecia no Allianz Arena o jogo entre Bayern e Roma. E a cidade atendeu perfeitamente esses dois públicos.

Bom, voltando ao Parque Olímpico, seu complexo arquitetônico foi revolucionário para a época. A curiosidade é que foi construído em um monte verde artificial, sobre destroços da segunda guerra mundial. A paisagem cercada de lagos e árvores é semelhante à paisagem natural da Bavária. A história dos Jogos Olímpicos de 1972 está marcada pelo ataque terrorista que, depois de várias tentativas para ser posto termo à ameaça, resultou na morte de onze atletas israelitas que participavam das competições, de cinco terroristas e de um policial alemão.

MUSEU BMW

Aproveite a ida ao Parque Olímpico e visite logo ao lado o Museu da BMW. Parece passeio de menino, mas é bem legal tirar uma onda e entrar numa BMW para tirar foto. Tem umas exibições de moto lá dentro e vários carros lindos.

ALLIANZ ARENA

Um pouquinho afastado, mas necessários aos amantes de futebol, é visitar o Allianz Arena. O estádio que fez parte da Copa de 2006 hoje é casa do Bayern de Munique. É um estádio moderno, clássico. Lá dentro, uma enorme loja vendendo coisas do Bayern, foi a primeira vez que fui à uma loja de esportes e só comprei coisas para mim. O clássico foi o cachecol escrito “Danke Franz”. Viva Beckenbauer!

large_Imagem_022.jpg

A BAVÁRIA

A Bavária ou Baviera, (Bayern em alemão) é um dos lugares mais bonitos que já visitei. As histórias que a envolvem, cercada por lagos, castelos, próxima à Floresta Negra, são ingredientes que me fizeram sair de lá com saudades. A vontade de voltar a Neuschwanstein ainda é grande. Eu vou voltar, logo logo.

Outras dicas

Três passeios que não fiz mas, como vi em blogs, parecem interessantes:

  1. Tire uma manhã para visitar o palácio Nymphenburg, situado a noroeste da cidade. Não fiz esse passeio, preciso voltar para fazer. Para chegar lá basta pegar o Strassenbahn 17, que passa ao lado da estação central. Nymphenburg, construído em 1664, foi a residência de verão dos reis da Bavária (antigamente um território independente, até a unificação da Alemanha). De arquitetura belíssima, entre suas principais atrações estão valiosas telas de mestres da pintura, louças imperiais, uma grande coleção de carruagens e jardins primorosos;
  2. Um nome de triste lembrança, mas que nunca deve ser esquecido por todo o mal que representou é Dachau, a poucos quilômetros de Munique. Outro lugar que não fui e pretendo visitar. Aqui foi construído, em 1933, o primeiro campo de concentração nazista. Libertado pelas tropas aliadas em maio de 1945, o campo foi posteriormente transformado em memorial e local de preces. Esta é uma das visitas mais emocionantes que fizemos na Alemanha, principalmente ao vermos a grande quantidade de jovens estudantes, que levados por seus professores, vão conhecer esta parte triste da história de seu país, para aprender a evitar que, no futuro, algo semelhante jamais possa acontecer. No infame aviso situado na porta de ferro que dava acesso a Dachau lia-se "Arbeit macht Frei", ou seja, O Trabalho liberta;
  3. Um endereço que não pode faltar em sua visita é o Residenz, principal palácio urbano de Munique. Mais de 100 quartos desta residência real estão abertos à visitação. Há também exposições das coroas, jóias e artigos religiosos dos primeiros reis da Bavária. Veja também o Grottenhoff, jardim interno ornado com maravilhosa fonte de bronze. E principalmente não esqueça de visitar o Antiquarium, mais impressionante salão do Residenz, uma biblioteca ornada com bustos de líderes romanos e gregos. Ao lado, imagem do Antiquarium;

Publicado por Akemi Nomura 09:25 Arquivado em Alemanha Tagged alemanha munique Comentários (0)

(Textos 6 - 10 de 11) Anterior « Página 1 [2] 3 » Próximo